X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Economia

Programa de desconto para carros se esgota em um mês

Um dos objetivos do programa era incentivar o setor automotivo, que sofre com a diminuição nas vendas de carros novos


Imagem ilustrativa da imagem Programa de desconto para carros se esgota em um mês
Programa de descontos para carros populares |  Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Todos os R$ 800 milhões disponibilizados para o programa que concedeu descontos à compra de carros "populares" foram esgotados e ele será encerrado. A iniciativa, que tinha um orçamento inicial de R$ 500 milhões, durou um mês ao todo.

Um dos objetivos do programa era incentivar o setor automotivo, que sofre com a diminuição nas vendas de carros novos. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), 125 mil veículos foram vendidos com descontos graças ao programa.

Leia mais notícias de Economia aqui

O ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin (PSB) considerou o programa um sucesso. "Houve um crescimento de 14,2% nos emplacamentos em junho ante maio", disse. Segundo ele, em 30 de junho houve o recorde histórico de emplacamentos, com 27 mil carros.

"[A indústria] estava com estoque gigantesco, não tinha como produzir. Vendendo, retoma", avaliou. Alckimin espera que com a queda na taxa de juros, as vendas de carros voltem a crescer, ajudando o setor.

Questionado sobre possíveis novos programas de estímulo para o setor, Alckmin afirmou que o caminho é "melhorar renda da população, emprego, competitividade, mas há momentos excepcionais nos quais ajudamos".

O programa permitia um desconto entre R$ 2 mil e R$ 8 mil para veículos de até R$ 120 mil. Do total de R$ 800 milhões, R$ 650 milhões foram para os descontos. Os R$ 150 milhões restantes servirão para compensar a perda de arrecadação de impostos causada pelo desconto.

A montadora que mais recebeu créditos foi a FCA Fiat Chrysler, com R$ 230 milhões, seguido pela Volkswagen, com R$ 100 milhões, e Renault, com R$ 90 milhões. Completam a lista a Hyundai, com R$ 80 milhões, GM e Peugeot Citroen, cada uma com R$ 50 milhões, Nissan e Toyota, com R$ 20 milhões cada, e a Honda, com R$ 10 milhões.

Leia também 

ES mantém incentivos fiscais até 2032, diz Casagrande

Reforma tributária: Novo imposto vai prejudicar a construção

Mudanças nas regras vão facilitar o financiamento de imóveis

Quando o programa foi lançado, em 5 de junho, a estimativa era de que teria duração de cerca de quatro meses. Com o sucesso do plano, os recursos para os automóveis atingiram R$ 400 milhões em apenas duas semanas.

Menor preço, maior eficiência energética e maior densidade industrial (capacidade de gerar emprego e crescimento no entorno) foram os três critérios levados em conta para a definição das faixas de desconto. Quanto maior a pontuação nesses requisitos, maior o desconto aplicável.

A formulação do programa para fomentar a compra de automóveis foi anunciada pela primeira vez em 25 de maio por Alckmin. Inicialmente, o foco da política eram os carros de até R$ 120 mil, mas o governo decidiu contemplar também caminhões e ônibus -com descontos que vão de R$ 33,6 mil a R$ 99,4 mil.

O programa destinado para ônibus e caminhões continua. Para caminhões, as montadoras já requisitaram R$ 100 milhões dos R$ 700 milhões disponíveis. Já para ônibus, foram utilizados R$ 140 milhões do total de R$ 300 milhões. "Esse programa se pudesse deveria ser permanente", ponderou Alckmin. A duração da iniciativa é de quatro meses.

Para conseguir o crédito, é necessário dar baixa em um caminhão ou ônibus velho. De acordo com Alckmin, há um gargalo no programa nos Detrans estaduais, que demoram para fazê-lo. "Falei com Denatran [Departamento Nacional de Trânsito], eles se responsabilizaram em falar com todos os Detrans", disse.

Leia mais 

Hackers roubavam dados do INSS com "chupa-cabra" para reativar benefícios

Samarco vai investir R$ 1,3 bilhão e abrir 3.000 empregos no ES e em MG

Mais de 16 mil servidores do ES correm risco de ficar sem renda, diz Tribunal

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: