X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Economia

ES mantém incentivos fiscais até 2032, diz Casagrande

Fala foi feita após aprovação da reforma tributária, na noite desta quinta-feira


Imagem ilustrativa da imagem ES mantém incentivos fiscais até 2032, diz Casagrande
O governador Renato Casagrande |  Foto: ACERVO/AT

Após a aprovação da reforma tributária em 1º turno na Câmara Federal, o governador Renato Casagrande se manifestou em suas redes sociais. “O Estado conquistou a continuidade dos incentivos fiscais até 2032. Mas há mais temas importantes para o Espírito Santo que nos preocupam”.

LEIA TAMBÉM

Em votação histórica, Câmara aprova primeiro passo da Reforma Tributária

Três deputados do ES votam contra a reforma tributária na Câmara

Entre os pontos de preocupação, o governador citou o maior poder conferido aos estados mais populosos na governança do Conselho Federativo, a ausência de definição dos critérios de distribuição do Fundo de Desenvolvimento Regional, a incerteza da responsabilidade pelo ressarcimento dos créditos acumulados de exportação e do seguro-receita durante a transição.

“Continuaremos a articulação no Senado para proteger o nosso Estado”, disse Casagrande. Caso passasse sem alterações, o governo do Estado previa uma eventual perda de 20% da arrecadação de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), ou seja, cerca de  R$ 3,5 bilhões por ano.  

Visto como importantes atrativos para o desenvolvimento do Espírito Santo, os incentivos fiscais dados a empresas era um dos pontos de preocupação para o Estado.

Conselho

Uma outra mudança do texto aprovado ontem  é o maior poder dado a estados das regiões Sul e Sudeste no desenho do Conselho Federativo, órgão colegiado que vai arrecadar e gerir o IBS (Imposto sobre Bens e Serviços).

Pelo novo texto, as decisões colegiadas serão tomadas a partir de um sistema múltiplo de votação. As deliberações precisarão ter apoio da maioria absoluta das 27 unidades da federação e também de representantes que correspondam a mais de 60% da população.

 O Conselho terá 27 membros estaduais (um para cada estado e o Distrito Federal) e 27 representantes do conjunto dos municípios e do DF – dos quais 14 serão eleitos com base nos votos igualitários e 13 com base nos votos ponderados pelas respectivas populações.

O relator, Aguinaldo Ribeiro, no entanto, não atendeu a uma demanda dos governadores e manteve a definição de distribuição do Fundo de Desenvolvimento Regional apenas para a Lei Complementar.

O fundo tem como objetivo “reduzir as desigualdades regionais e sociais” e receberá aportes da União, a um valor que chegará a R$ 40 bilhões por ano a partir de 2033.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: