X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Economia

Transporte por aplicativo: sindicatos a favor de projeto para motorista autônomo

Representantes da categoria no Estado aprovam a proposta do governo federal de não enquadrá-los na CLT, mas pedem ajustes


Imagem ilustrativa da imagem Transporte por aplicativo: sindicatos a favor de projeto para motorista autônomo
Motorista por aplicativo: se projeto for aprovado em Brasília, será criada uma nova categoria profissional |  Foto: Arquivo/ AT

Os sindicatos que representam os motoristas de aplicativo aprovam a decisão do governo federal de não enquadrá-los na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

O governo recuou da ideia inicial de enquadrar motoristas de aplicativo em três categorias profissionais — uma delas pela CLT — e enviará projeto de lei ao Congresso no qual reconhece esses trabalhadores como autônomos.

Se o projeto for aprovado pelos parlamentares, haverá a criação de uma nova categoria profissional: a de trabalhador autônomo por plataforma. Os trabalhadores que usam motos ficaram de fora das negociações, pois não se chegou a um consenso com as empresas.

A categoria vê de forma positiva o projeto de lei que será apresentado pelo governo federal. Segundo o presidente da Associação dos Motoristas de Aplicativos do Estado (Amapes) Luiz Fernando Müller, os motoristas de aplicativo aprovam a criação da profissão.

“Em relação ao autônomo, que é um grande desejo nosso e que é o objetivo que a gente tem, é positivo. Mas de você limitar a hora trabalhada, isso é muito ruim, porque é sabido que em outros países as plataformas, quando o governo delimitou valor mínimo por hora, fez com que o ganho dos motoristas caísse”, explicou.

Müller disse que o principal objetivo hoje é a criação da profissão. “Porém, que seja via MEI (Microempreendedor individual) e que a gente possa contribuir com o valor real de nossos ganhos para ter um valor por aposentadoria bom. Que possamos nos aposentar por tempo de serviço e pelos valores que a gente realmente recebe”.

Já o presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Prestadores de Serviços de Aplicativos de Transportes e de Aplicativos de Prestação de Serviços do Estado (Sintappes), Gessé Gomes, destacou que a primeira posição do sindicato é reconhecer que o governo vai apresentar um projeto de lei e que, sendo encaminhado para a Câmara do Deputados, será debatido pelos representantes do povo.

“O sindicato acredita que essa é a oportunidade de todos os trabalhadores colocarem sua voz, seu pensamento, a sua opinião sobre o projeto de lei”, disse.

Ainda, segundo ele, o sindicato reconhece que o esforço realizado por todos os trabalhadores da categoria.

Saiba mais

Proposta do governo

O governo federal enviará projeto de lei ao Congresso no qual reconhece esses trabalhadores como autônomos.

O enquadramento consta em uma minuta de regulação do setor, que determina contribuição ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) de 7,5%, pagamento de hora de trabalho no valor de R$ 32,09 e remuneração de ao menos o salário mínimo, hoje em R$ 1.412.

Se aprovada, a proposta de lei criará uma nova categoria profissional, a de trabalhador autônomo por plataforma, o que vai ao encontro de decisões judiciais do Supremo Tribunal Federal (STF), que enquadra a categoria como autônoma.

Os trabalhadores que usam motocicletas ficaram de fora das negociações, porque não se chegou a um consenso com as empresas dessa área, mesmo após um ano de debates entre o Ministério do Trabalho (MTE), empresas de aplicativos, entregadores e sindicalistas.

Segundo a minuta elaborada na pasta comandada por Luiz Marinho e entregue ao Palácio do Planalto, os motoristas deverão recolher 7,5% de contribuição à Previdência Social sobre o salário recebido.

As empresas irão contribuir com 20% sobre a remuneração mínima do profissional, que irá corresponder a 25% da renda bruta. A hora mínima começará a contar a partir do momento em que o profissional aceitar a viagem, ou seja, o pagamento será por hora trabalhada, e não pela hora logada, como desejava originalmente a categoria.

Fonte: Folha de S.Paulo.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: