X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Saúde

Alto teor de açúcar, gordura e sal assusta consumidores

Pesquisa revela que 24% dos consumidores deixaram de comprar produtos com selo que alerta sobre altos teores de ingredientes


Imagem ilustrativa da imagem Alto teor de açúcar, gordura e sal assusta consumidores
A nutricionista Gabriela Rebello acredita que a informação sobre a nova rotulagem precisa ser mais divulgada |  Foto: Fábio Nunes - 12/01/2023

É provável que você já tenha se deparado, dentro do supermercado, com aquele biscoito que você gosta e na sua embalagem, em destaque, um rótulo preto com a seguinte frase: “Alto em teor de açúcar e gordura saturada”. Agora responda: desistiu de comprar, sim ou não?

Desde outubro do ano passado, a nova rotulagem para alimentos processados e ultraprocessados, alertando para altos teores de açúcar adicionado, gordura saturada e sódio, passou a ser obrigatória em todo o País.

Os novos rótulos têm causado impacto nos consumidores: 24% já deixaram de comprar algum produto por causa da nova etiqueta.

O dado, que faz parte da pesquisa da consultoria Bain & Company, feita no fim do ano passado e divulgada no início deste ano, apontou ainda que 56% dos consumidores entrevistados perceberam a nova rotulagem.

Destes, 22% chegaram a comprar o produto, porém planejam reduzir o consumo no futuro. Outros 34% reconsideraram o consumo, mas ainda assim compraram. Já 20% dos que perceberam os selos continuam comprando e consumindo.

Para a nutricionista e colunista de A Tribuna, Gabriela Rebello, a nova rotulagem vai provocar mudanças de hábitos. “Acredito que a tendência é cada vez mais as pessoas se atentarem, principalmente porque a população está envelhecendo e adoecendo junto, fazendo com que o indivíduo tenha mais cautela nas escolhas”.

Gabriela acredita, porém, que a informação ainda precisa ser mais disseminada. “Ainda tem uma grande parcela da população que é leiga, sabe que essa substância está presente no produto e faz mal, mas não consegue dimensionar o tamanho desse malefício para o organismo”.

Para a nutricionista Karla Talhate, o maior intuito da legislação é fazer as empresas repensarem a formulação de todos os alimentos e tirarem aquilo que é nocivo para a saúde humana.

Segundo a médica nutróloga Mariana Comério, se as empresas verem realmente uma redução no consumo, elas terão de se adequar.

“Acredito que as empresas só vão mudar se isso afetá-las financeiramente. O caminho é a conscientização da população do que é saudável e dos riscos que traz para a saúde. Isso é que vai afetar na redução do consumo, levando as empresas a mudarem a composição do produto industrializado”.

Especialistas fazem alerta

Especialistas são categóricos em afirmar que os ultraprocessados não deveriam estar presentes na rotina de nenhum indivíduo. Mas será que isso é possível?

A nutricionista Gabriela Rebello afirma que, hoje, é difícil dar uma orientação pedindo ao indivíduo para excluir totalmente esse tipo de alimento.

“Sabemos que a oferta é muito grande. Por exemplo, às vezes essa pessoa vai numa festa, não tem um suco, não tem água, e tem apenas refrigerante ou bebida alcoólica. Para não ficar com sede, ela acaba cedendo”, analisa.

Para a nutróloga Mariana Comério, o caminho é a conscientização da população sobre os riscos associados à saúde que esses alimentos podem causar.

“O produto sempre vai acabar tendo, porque a indústria vai trabalhar para isso. Mas o que determina se isso vai se manter no mercado ou não é o consumo. O caminho é informação e conscientização para que esses produtos sejam menos consumidos”.

O grande problema dos ultraprocessados, que possuem alta densidade calórica, segundo a nutricionista Karla Talhate, é que eles causam sobrepeso e obesidade, além de todas as comorbidades associadas ao seu consumo, como hipertensão arterial, problemas cardiovasculares, apneia do sono e até problema de articulação.


Saiba mais

Pesquisa ouviu duas mil pessoas

- Rotulagem

As novas regras para rotulagem de alimentos entraram em vigor no dia 9 de outubro de 2022. Além de mudanças na tabela de informação e nas alegações nutricionais, foi adotado também a rotulagem nutricional frontal.

Na parte frontal alimentos processados e ultraprocessados, há alerta para altos teores de açúcar adicionado, gordura saturada e sódio.

A etiqueta padrão traz uma lupa preta, com a indicação “alto em”, na parte frontal dos produtos, que também passam a contar com uma tabela de nutrientes por 100ml ou 100g.

- Pesquisa

Elaborada pela consultoria Bain & Company, a pesquisa, feita no fim do ano passado e divulgada no início deste ano, aponta que 56% dos consumidores entrevistados (de um total de 2 mil) perceberam a nova rotulagem. Destes, 24% desistiram de comprar um produto pela nova rotulagem.

Outros 22% chegaram a comprar o produto, porém planejam reduzir o consumo no futuro. Outros 34% reconsideraram o consumo, mas ainda assim compraram. Já 20% dos que perceberam os selos, continuam comprando e consumindo.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: