search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

"Não existe mãe com 10 anos", diz organizadora de abaixo-assinado sobre aborto

Notícias

Publicidade | Anuncie

Polícia

"Não existe mãe com 10 anos", diz organizadora de abaixo-assinado sobre aborto


A Sangra Coletiva é a organizadora do abaixo-assinado criado para defender a menina de 10 anos, moradora de São Mateus, que engravidou após ser vítima de violência sexual. A integrante da Coletiva, Amanda Schon, conversou sobre o caso com a reportagem do Tribuna Online, nesta sexta-feira (14), e enfatizou o posicionamento do grupo de que "não existe mãe com 10 anos de idade. Não existe mãe de estupro". 

Após sofrer abusos sexuais por parte do tio, a criança, de apenas 10 anos, engravidou do próprio agressor, em São Mateus, no Norte do Estado. A gestação foi confirmada através de um exame, feito no último sábado (8), no Hospital Roberto Silvares. Os estupros já vinham acontecendo desde que ela tinha 6 anos. 

Na segunda-feira (8), um profissional do Conselho Tutelar, que não quis se identificar, contou ao Jornal A Tribuna que uma tia da menina a levou no hospital pois achava que a criança estava grávida. Os profissionais da saúde perceberam que a barriga da vítima apresentava volume e realizaram um exame de sangue que comprovou a gravidez e indicou que já estava no terceiro mês da gestação.

De acordo com Amanda Schon, esse é um dos principais motivos para a criação do movimento, que já é nacional.

"Nossa pressão é para evitar que essa demora se arraste de modo a fabricar uma condição médica que impeça essa menina de interromper essa tragédia em sua vida. Não houve negação do aborto, mas há uma demora e uma burocratização em atender essa menina com a interrupção da gestação, que já caminha para o 2° trimestre e a mantém correndo sérios riscos".

Segundo Amanda, o coletivo entende que essa demora vai causar a inviabilização do aborto, "como já aconteceu antes no caso de uma menina de 9 anos que aos 5 meses de gestação, estava em um estágio já tão avançado que o Corpo Médico concluiu que os riscos de morte eram muito altos", completou.

Coletiva Sangra

"Nós somos uma coletiva de Mulheres autonomas, mães e lésbicas e nossa pauta principal é a luta antipedofilia, exploração sexual infanto-juvenil e a revogação da Lei de Alienaçao Parental.

Quando tivemos conhecimento da situação desse caso, elaboramos a petição e levantamos a #gravidezaos10mata para divulgá-la. Além de tantos outros motivos, justamente por sabermos que a principal causa de morte na adolescencia é a gravidez precoce, imagine você a urgência de interromper a gestação nessa menina de 10 anos!"

"Apoio ao bebê"

"A Ministra Damares por exemplo, não adotou uma postura de defesa e proteção da vítima, mas de punitivismo do estuprador. A Ministra é clara quando fala sobre "oferecer apoio à mãe e ao bebê dela". Não existe mãe com 10 anos de idade. Não existe mãe de estupro.

Não existe um posicionamento que explique e justifique essa demora. Que mantenha essa criança sob essa tortura e prolongue seu trauma. Que torna maior a cada minuto a chance de ela ser impedida de interromper essa gestação fruto de estupro".

LEIA MAIS:

Justiça diz que vai decidir sobre aborto "sem influências"

Menina de 11 anos, vítima de estupro, teve bebê no mês passado em São Mateus

Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados