search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Abaixo-assinado pede que menina de 10 anos tenha direito de abortar

Notícias

Publicidade | Anuncie

Cidades

Abaixo-assinado pede que menina de 10 anos tenha direito de abortar


Um abaixo-assinado criado na internet defende que a menina de 10 anos, moradora de São Mateus, no Norte do Estado, que engravidou após ser vítima de violência sexual provocada pelo próprio tio, tenha direito a realizar o aborto. O movimento foi criado pelo Coletiva Sangria e ganhou apoio da Frente pela Legalização do Aborto do Espírito Santo (Felaes), formado por outras 47 entidades.

O caso ganhou repercussão nacional nesta semana, depois que a menina deu entrada no Hospital Roberto Silvares, em São Mateus, se sentindo mal. Enfermeiros perceberam que a garota estava com a barriga estufada, pediram exames e detectaram que ela está grávida de cerca de 3 meses.

A situação da criança acabou levantando outro ponto: a possibilidade da realização de um aborto, condição prevista na Lei para mulheres vítimas de violência sexual. O mérito da realização ou não deste aborto ainda está sendo analisado pela Justiça.

Por conta desta ocorrência, a hashtag "#gravidezaos10mata" ficou nos assuntos mais comentados do Twitter Brasil. No abaixo-assinado, o Coletiva Sangria defende que a criança tenha direito a realizar o aborto, diante do risco de morte que sofre. 

"A lei é cristalina, o aborto é permitido em caso de estupro. Uma CRIANÇA está grávida, vítima de estupro de vulnerável, e o sistema está analisando o quê mesmo? Qual o motivo dessa análise? Salvem a vida dessa criança que foi estuprada, os únicos profissionais que têm algo a analisar aí são os médicos que farão o procedimento, a lei está pronta e acabada, cabe ao sistema salvar a vida da criança engravidada", diz a nota deste abaixo assinado.

Até as 15 horas desta sexta-feira (14), mais de 352 mil pessoas já haviam aderido ao manifesto.

O pensamento é o mesmo compartilhado pela Frente em Favor pela Legalização do Aborto. "Essa gestação é fruto de uma violência sexual gravíssima. A saúde da menina foi violada, tanto emocional, social e fisicamente. Será, uma violação ainda maior, se a interrupção dessa gestação, não acontecer", diz a nota.

Entenda o caso

O suspeito do crime, de 33 anos, está foragido e está sendo procurado no Norte do Estado e na Bahia. Segundo o delegado Leonardo Malacarne, responsável pelo caso, o tio fugiu após a divulgação do caso e de sua foto nas redes sociais.

Em conversa com os médicos e com a tia que a acompanhava, a criança relatou que o tio a estuprava desde os 6 anos. Ela disse que não havia contado aos familiares porque tinha medo, pois ele a ameaçava.

A menina está em um abrigo, acompanhada de uma assistente social do município. Em nota, a prefeitura de São Mateus informou que o Ministério Público, através da promotoria de Infância e Juventude, entrou com uma ação impedindo a divulgação de qualquer informação sobre o caso, para proteger a integridade da família e da criança.

O caso é considerado estupro de vulnerável, que consiste em ato libidinoso ou relação sexual com menor de 14 anos ou contra pessoa que por deficiência física ou mental não tem o necessário discernimento para a prática do ato ou que, por qualquer outro motivo, não pode oferecer resistência, conforme o artigo 217-A do Código Penal.

O outro lado

O Conselho Tutelar de São Mateus se declarou impedido de se pronunciar sobre o caso, uma vez que corre em segredo de Justiça.

LEIA MAIS:

Justiça diz que vai decidir sobre aborto "sem influências"

Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados