X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Esportes

Rebeca Andrade fica com a prata no individual geral do Mundial de Ginástica

O ouro ficou com Simone Biles, que fez uma volta triunfal após ficar afastada nos últimos dois anos para tratar da saúde mental


Imagem ilustrativa da imagem Rebeca Andrade fica com a prata no individual geral do Mundial de Ginástica
A brasileira Rebeca Andrade, 24, que foi a campeã mundial no Mundial de 2022, ficou com a segunda colocação, com 56,766 pontos |  Foto: Reprodução/Instagram

A ginasta americana Simone Biles, 26, venceu nesta sexta-feira (6) a final do individual geral no Mundial de Ginástica Artística que está sendo disputado nesta semana na Antuérpia, na Bélgica.

A estrela da ginástica olímpica fez uma volta triunfal após ficar afastada nos últimos dois anos para tratar da saúde mental e ficou com o ouro ao obter uma nota total de 58,399 pontos na soma dos quatro aparelhos –salto sobre a mesa, barras assimétricas, trave e solo.

A brasileira Rebeca Andrade, 24, que foi a campeã mundial no Mundial de 2022, ficou com a segunda colocação, com 56,766 pontos.

No solo, Rebeca obteve 14,066 pontos, tendo sofrido um desconto de três décimos por ter saído da área de apresentação ao se desequilibrar no último movimento. Ela se apresentou ao som das músicas "End of Time", da cantora americana Beyonce, e "Movimento da Sanfoninha", de Anitta. O "Baile de Favela", funk do MC João que conduziu a ginasta em suas maiores conquistas no ano passado, encerrou a apresentação.

A brasileira Flavia Saraiva, 24, ficou na 15ª posição na final do individual geral.
Além do ouro no individual geral, Biles e Rebeca também vão disputar no sábado (7) a final no salto. Nas eliminatórias, a ginasta americana apresentou um dos saltos mais difíceis da ginástica, o Yurchenko double pike , que passará a ser chamado de Biles 2 em homenagem à atleta. Ela já tem cinco movimentos batizados com seu nome na ginástica.

No domingo (9), última dia de competição, Biles e Rebeca voltam a competir nas finais da trave e do solo. No solo, Flavia Saraiva também se classificou para a final.

Biles é considerada um fenômeno no esporte. Ela iniciou a carreira em 2013, quando conquistou duas medalhas de ouro no Mundial e teve o primeiro movimento batizado em sua homenagem.

Hoje já são nada menos do que 26 medalhas em mundiais, sendo 21 de ouro, com seis vitórias no individual geral após a conquista no Mundial da Bélgica.

A americana também conquistou sete medalhas olímpicas, sendo cinco de ouro. O número poderia ser ainda maior, mas Biles deixou de competir em algumas provas nos Jogos Olímpicos de Tóquio em 2021, para tratar de questões relacionadas à saúde mental.

A ginasta explicou que seu afastamento decorreu de um fenômeno conhecido como "twisties", um bloqueio mental em que o atleta perde o senso de espaço enquanto está fazendo acrobacias no ar.

Na ausência de Biles nas grandes competições internacionais, a brasileira Rebeca Andrade ocupou o espaço vago e se destacou como uma das principais ginastas em atividade no mundo.

Nas Olimpíadas no Japão, a brasileira natural de Guarulhos Andrade conquistou a prata no individual geral e o ouro no salto, se tornando a primeira medalhista olímpica feminina da ginástica artística brasileira.

No Mundial de 2022 em Liverpool, na Inglaterra, Rebeca ficou com o ouro no individual geral, a primeira do país a alcançar essa conquista. Brasileiros já haviam triunfado em decisões por aparelhos em seis oportunidades no Mundial, uma delas com a própria Rebeca, no salto, em Kitakyushu, no Japão, em 2021. Mas o máximo no individual geral era o bronze de Jade Barbosa em Stuttgart, na Alemanha, em 2007.

A brasileira também liderou a equipe brasileira na conquista da inédita medalha de prata obtida no Mundial da Bélgica.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: