X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Cidades

Especialistas revelam como vai ser a alimentação do futuro

“Carnes” à base de fungos e até farinhas feitas de larvas de moscas estão sendo estudadas para fazer parte do cardápio


Ainda nos tempos bíblicos, João Batista, primo de Jesus, se alimentava de gafanhotos e mel silvestre, conforme relatado na Bíblia. Hoje, com a variedade de alimentos, comer insetos não é uma prática comum no Ocidente.

Mas, com a crescente preocupação ambiental e a busca por alternativas sustentáveis, a alimentação humana está passando por mudanças: plantas, insetos e fungos estão sendo adotados como fontes nutritivas. “Carnes” à base de fungos e até farinhas feitas de larvas de moscas estão sendo estudadas para fazer parte da alimentação da população em geral.

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) prevê para 2050 um aumento estimado de 9 bilhões de pessoas no mundo, podendo resultar numa pressão ainda maior sobre a produção de alimentos. Desde 2013, a FAO vem recomendando o consumo de insetos no combate à fome.

“Os insetos alimentícios têm o dobro ou mais de proteínas do que carne, frango, peixe e alguns vegetais. É uma proteína de boa e rápida digestibilidade. No caso dos insetos, inclusive, eles são indicados como pré e pós-treino”, explica o biogastrólogo Casé Oliveira, presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Insetos.

Grilos, gafanhotos, algumas espécies de besouros e de formigas são os mais comercializados, segundo Casé.

O doutor em Bioquímica Wilton Cardoso, professor do curso de Ciência e Tecnologia dos Alimentos do Ifes de Venda Nova, tem pesquisado sobre o uso do micélio (parte vegetativa de um fungo que forma cogumelo).

“Com o micélio é possível produzir 'carne' e 'couro'. O teor de proteína do micélio varia de 12% a 30%. Está em pesquisa ainda colocar dentro do micélio alguns minerais, como lítio, que serviria para pessoas com depressão. A ergotioneína, por exemplo, é um poderoso antioxidante, feito a partir do micélio, que diminui os efeitos da idade no corpo”, afirma o professor.

NOVOS ALIMENTOS

Grilos

Imagem ilustrativa da imagem Especialistas revelam como vai ser a alimentação do futuro
Grilo |  Foto: Divulgação

O grilo preto (Gryllus assimilis) é um dos tipos mais consumidos no mundo. O inseto é uma fonte rica em fibras, proteínas (cerca de 60%), vitaminas e minerais.

O cientista de alimentos Antonio Bisconsin Junior, da Unicamp, produziu em sua tese de doutorado uma farinha proteica de grilos – uma espécie de whey protein –, desenvolvida com tecnologias emergentes não térmicas, em parceria com o Instituto Leibniz para Tecnologia Agrícola e Bioeconomia (Alemanha).

Tanajuras

Imagem ilustrativa da imagem Especialistas revelam como vai ser a alimentação do futuro
Formiga Tanajura |  Foto: Divulgação

As formigas, conhecidas também como içá, são fonte de alimento para diversas etnias indígenas. No interior de São Paulo e no Nordeste são consideradas iguarias culinárias, que vêm ganhando espaço inclusive em restaurantes requintados. No Rio de Janeiro, uma hamburgueria criou o “tanaburguer”, hambúrguer finalizado com tanajura. No sertão de Pernambuco, é comum encontrar nos bares tira-gostos feitos com tanajura. Cem gramas da parte comestível da tanajura fornecem 20% de proteínas, 28% de lipídios, além de cálcio, ferro e vitaminas.

Gafanhotos

Os chapulines são um tipo de gafanhoto comumente servido como petisco em algumas partes do México. De acordo com a ONU, gafanhotos e grilos são uma ótima fonte de gorduras boas, e o percentual de proteínas nos alimentos à base desses insetos pode chegar a até 69% do total. Em Israel, empresas já investem em alimentos e até mesmo guloseimas à base de gafanhotos.

Micélio

Imagem ilustrativa da imagem Especialistas revelam como vai ser a alimentação do futuro
Micélios de fungos |  Foto: Divulgação

Os micélios dos fungos, ou redes fúngicas, têm o mesmo potencial nutricional dos cogumelos. A carne de micélio possui 14% de proteína em sua composição.

A Ecovative, empresa norte-americana de tecnologias sustentáveis baseadas em micélio, desenvolveu bacon a partir dos fungos.

Besouros

São os insetos mais consumidos no mundo. Existem muitos tipos de besouros comestíveis, incluindo escaravelhos (larvas e adultos).

Na Alemanha, a BugFoundation vende hambúrgueres que levam 45% de uma mistura proteica feita à base de soja e larvas do besouro Alphitobius diaperinus, conhecido no Brasil como cascudinho. De acordo com os fabricantes, o sabor lembra sementes de girassol ou amendoim.

PANCS

As Plantas Alimentícias Não Convencionais (Pancs) possuem alto teor de nutrientes. Entre as mais conhecidas estão ora-pro-nóbis, peixinho, physalis, vinagreira e azedinha. Segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), existem de 7 a 30 mil espécies de plantas que podem ser consideradas comestíveis pelos seres humanos.

Tenébrio Gigante

Pesquisa desenvolvida na Universidade do Sudoeste da Bahia avalia como o tipo de abate e as temperaturas de secagem utilizadas influenciam a qualidade do tenébrio com relação ao seu valor nutricional, segurança microbiológica e características para aplicação na indústria. O próximo passo será o desenvolvimento de uma farinha. Os insetos podem conter até 70% de proteína.

Tenébrio Molitor

Também conhecido como larva-da-farinha, é rico em proteínas (aproximadamente 50%), gordura, ácidos graxos essenciais, vitaminas e minerais. Na Europa, em 2021, a larva tornou-se o primeiro inseto aprovado pela Agência Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) como comida. As larvas podem ser usadas em farinha para fazer biscoitos, massa, pão, hambúrguer e almôndega.

Fonte: Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO), USP, Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), Unicamp, pesquisa AT e especialistas consultados.

Água-viva e algas

Variedades comestíveis de água-viva são consumidas há gerações em algumas partes da Ásia. Elas são pobres em carboidratos e ricas em proteínas, mas tendem a estragar facilmente à temperatura ambiente. O consumo de algas também está se espalhando para além da Asia e deve continuar crescendo, em parte devido ao seu valor nutricional e sustentabilidade, pois as algas marinhas não precisam de fertilizantes para crescer e ajudar a combater a acidificação dos oceanos.

Larvas da mosca soldado-negro

Imagem ilustrativa da imagem Especialistas revelam como vai ser a alimentação do futuro
Larvas da mosca soldado-negro |  Foto: Divulgação

As moscas conseguem transformar qualquer tipo de resíduo orgânico em proteína de alta qualidade. Estima-se que, em sua fase larval, a mosca apresente uma porcentagem de proteínas que varia de 40% a 63% e de lipídios que pode chegar a 35%. Pesquisa da USP vem desenvolvendo alimentos feitos com farinha obtida a partir de larvas de mosca, como pães e salsichas.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: