search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Casagrande diz ser “inconcebível levantar suspeitas sobre número de leitos de UTI”

Notícias

Publicidade | Anuncie

Coronavírus

Casagrande diz ser “inconcebível levantar suspeitas sobre número de leitos de UTI”


A ação civil pública aberta pelo Ministério Público Federal no Espírito Santo (MPF-ES) contra o Estado, alegando que deve ser promovida “a efetiva transparência" quanto à quantidade de leitos de UTI para tratamento de pacientes com a covid-19, irritou o governador Renato Casagrande. Ele classificou a ação como “inconcebível”.

Leito de UTI para tratamento de pacientes de Covid-19 (Foto: Kadidja Fernandes (01/04/20))
Leito de UTI para tratamento de pacientes de Covid-19 (Foto: Kadidja Fernandes (01/04/20))
A Procuradoria alega que "os dados sobre ocupação geral nos leitos de UTI para pacientes com covid-19, disponibilizados na internet pelo Estado do Espírito Santo, são enganosos", por isso ajuizou a ação.

Ao ser questionado sobre o caso, durante entrevista coletiva pela internet, no final da tarde desta sexta-feira (5), Casagrande foi enfático: “Somos campeões em transparência e o MPF sabe disso. O trabalho do MPF tem sido perguntar e o nosso trabalho tem sido executar as ações. Eles têm perguntado e a gente tem respondido”.

O governo ainda destacou que o Estado conquistou um título de mais transparente do Brasil quanto à divulgação dos dados referentes à Covid-19, de acordo com a ONG Open Knowledge Brasil (OKBR).

“Conquistamos uma posição de vanguarda na transparência. Não aceito que o MPF possa questionar os dados, que são dados públicos. É inconcebível que eles possam levantar suspeitas sobre os dados, sobre os leitos que estamos abrindo no Estado do Espírito Santo”, declarou.


Entenda o caso

O Ministério Público Federal no Espírito Santo entrou com a ação nesta quinta-feira (4) e quer também que o Estado apresente um plano de estratégia de remanejamento de pacientes, quando da saturação de leitos de UTI para atendimento de pacientes da covid-19, com regras claras, que determinem soluções rápidas, caso determinado hospital não possa receber pacientes em seus leitos de UTI.

O MPF-ES pede que as medidas sejam adotadas em até 24 horas, sob pena de multa diária de R$ 10 mil por item não atendido.

Os procuradores lembram que o governo criou a página https://coronavirus.es.gov.br/, em que constam, entre outros, dados sobre a ocupação de leitos no Estado, com detalhamento por região de saúde e por hospital.

"De acordo com o MPF-ES, essas informações estão incorretas e pautando estratégias de saúde pública igualmente equivocadas", diz o texto da Procuradoria.

Leia mais sobre a ação civil pública:
Ministério Público Federal diz que dados de leitos de UTI do Estado são “enganosos"
 


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados