X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Menor é apreendido suspeito de 'escravizar' e abusar de meninas no Discord

Adolescente formatou equipamentos eletrônicos e apagou evidências porque já esperava ser alvo de operação policial


Imagem ilustrativa da imagem Menor é apreendido suspeito de 'escravizar' e abusar de meninas no Discord
Adolescente é suspeito de comandar um grupo que realizava atos de tortura física, psicológica e sexual contra outras menores de 18 anos |  Foto: Reprodução/Canva

Um adolescente de 16 anos foi apreendido na quarta-feira (12) pela Polícia Civil de Minas Gerais por suspeita de estimular a violência e praticar "atos infracionais" análogos a estupro de vulnerável no Discord. Ele foi encaminhado para o sistema socioeducativo.

O adolescente é suspeito de comandar um grupo que realizava atos de tortura física, psicológica e sexual contra outras menores de 18 anos. Nas conversas, meninas eram induzidas a cometer automutilação, suicídio, atos libidinosos com elas mesmas e até zoofilia.

Leia também:

Adolescente de 17 anos é apreendido no ES por crimes no Discord

Entenda como funciona o aplicativo Discord e veja os cuidados

Discord, investigado por crimes de ódio, lança recurso de controle parental

"Descobrimos que o adolescente residente em Belo Horizonte era o principal ordenador desses atos perversos. Os investigados chegaram a pedir que ela tomasse urina do vaso, raspasse a sobrancelha, induziram-na a introduzir objetos na vagina; e, ante tudo isso, eles [suspeitos] faziam contagem regressiva para que ela executasse cada ato", descreveu o delegado Ângelo Ramalho.

Uma das vítimas era uma menina de 13 anos, residente em outro estado, que foi obrigada a se automutilar sob ameaça do grupo. De acordo com a investigação, em um dos casos, os suspeitos pediram para que a jovem realizasse atos libidinosos com o cachorro de estimação dela e, em outro momento, que ela quebrasse a pata do animal e urinasse nele.

Além disso, a adolescente foi obrigada a escrever na própria pele, com canivete, o nome do grupo ao qual os suspeitos pertenciam. Segundo a polícia, a vítima tentou realizar a ação, mas o canivete estava sem corte, e o líder do grupo ordenou que ela utilizasse uma lâmina de apontador para concluir a automutilação.

Ainda conforme a polícia, sessões como essas eram recorrentes e tinham duração de cerca de uma hora. A rede social também era utilizada para disseminar mensagens de apologia nazista e de misoginia.

De acordo com o delegado, o adolescente formatou os equipamentos eletrônicos e apagou evidências porque já esperava ser alvo de operação policial, após outros comparsas terem sido identificados e presos em outros estados. "Mas ele nos trouxe informações importantes de outros casos, de outras vítimas, de outros autores. E como ele é menor, ele quer fazer esse tipo de colaboração", explicou.

"Conectada ao mesmo servidor, e sob ameaça de ser exposta, a vítima era subjugada, humilhada e sofria violência psicológica com consequências física e sexual, além de instigada ao suicídio. O que os investigados impeliam na vítima era um estado de 'escravidão virtual'. Ela não poderia parar ou teria conteúdos revelados para familiares e na escola", afirmou o delegado.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: