X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Saúde

Novas recomendações sobre uso da vitamina D

Menores de 18 anos, maiores de 75, grávidas ou pré-diabéticos de alto risco podem fazer o uso diário do suplemento


Imagem ilustrativa da imagem Novas recomendações sobre uso da vitamina D
A advogada Mayara Nascimento, de 27 anos, contou que faz o uso de suplemento de vitamina D de acordo com indicação de nutricionista. A jovem utiliza para regular a presença de fósforo e cálcio no sangue. Também faz o uso de ômega 3, colágeno e trimagnésio. |  Foto: Leone Iglesias/ AT

A Endocrine Society, instituição que representa a classe da endocrinologia internacionalmente, publicou novas diretrizes que fazem recomendações em relação à suplementação de vitamina D, visando evitar o uso excessivo do hormônio e informando sobre quem pode realmente ser beneficiado pela ação.

Elaborada por um painel de especialistas, a publicação sugere uma “suplementação empírica” de vitamina D para grupos específicos, e saudáveis, a fim de evitar doenças. São dosagens superiores às indicadas em 2011 pela National Academy of Medicine (NAM).

Menores de 18 anos, maiores de 75 anos, grávidas ou pré-diabéticos de alto risco estão englobados no público-alvo que pode fazer o uso diário do suplemento.

A suplementação empírica é aquela sem a necessidade de fazer exames de dosagem. Menores de 18 anos, por exemplo, devem fazê-la com doses diárias de 30 microgramas para prevenir o raquitismo e potencialmente reduzir o risco de infecções do trato respiratório.

Em relação a adultos sem comorbidades, na faixa de 19 a 74 anos, a sugestão é que não haja essa dosagem rotineira, pois não existem evidências científicas que comprovem o benefício de tal “reposição”.

É válido pontuar que essas diretrizes servem como um guia para os profissionais da saúde atuarem com seus pacientes no dia a dia. Cada caso deve ser individualizado e alinhado com o médico.

Perigos

A suplementação indiscriminada do hormônio pode trazer consequências negativas para a saúde, afirmaram especialistas.

“Com o uso inadequado de vitamina D, tanto por excesso, erro em formulações, erro em forma de aplicação, você tem alguns riscos. Os principais estão vinculados à piora de função renal e hipercalcemia (excesso de cálcio no sangue). Para idosos, há risco aumentado de fraturas em fêmur”, disse Luize Giuri, médica endocrinologista.

Tatiana Genelhu, endocrinologista pediátrica, completou informando que a hipercalcemia tem sintomas como náusea, vômitos, fraqueza, anorexia, desidratação e quadro agudo de insuficiência renal.

“Em casos extremos de intoxicação por vitamina D, podem haver calcificações em outros órgãos como vasos sanguíneos, coração e rins”, finalizou.

Imagem ilustrativa da imagem Novas recomendações sobre uso da vitamina D
Imagem ilustrativa da imagem Novas recomendações sobre uso da vitamina D

Fique por dentro

Vitamina D

Por mais que seja conhecida como vitamina, ela é um hormônio sintetizado pelo próprio organismo ao ter o estímulo da exposição solar.

atua na saúde óssea e na preservação do sistema osteomuscular, regulando a concentração de nutrientes como o cálcio e o fósforo no corpo, e auxiliando a absorção deles no trato digestivo.

De acordo Tatiana Genelhu, endocrinologista pediátrica, apenas 10% a 20% da vitamina D provêm da dieta (peixes gordurosos de água fria e profunda, como o salmão, atum, sardinha, fungos comestíveis e ovos).

O restante deve ser sintetizado pelo próprio indivíduo. Para a produção de vitamina D, é fundamental uma adequada exposição solar.

Também existem os suplementos de vitamina D que não são recomendados para todas as pessoas.

Novas diretrizes

A Endocrine Society, instituição situada nos Estados Unidos que representa a classe da endocrinologia internacionalmente, fez uma nova publicação com várias recomendações relacionadas ao uso de suplementos de vitamina D.

Recomendações

Para crianças e adolescentes de 1 a 18 anos, é recomendada a suplementação empírica (feita sem exames de dosagem) diária oral de 30 microgramas, a fim de prevenir o raquitismo e potencialmente reduzir o risco de infecções do trato respiratório.

Para aqueles com 75 anos ou mais, é recomendada a suplementação empírica diária oral de vitamina D na dose de 20 microgramas, para reduzir potencialmente o risco de mortalidade.

Em relação às grávidas, a fim de reduzir potencialmente o risco de pré-eclâmpsia e outras condições, é recomendada a suplementação empírica diária oral de 63 microgramas de vitamina D.

Para aqueles com pré-diabetes de alto risco, visando reduzir o risco de progressão para diabetes, é sugerida a suplementação empírica oral diária com dose de 25 microgramas.

Já os adultos de 19 a 74 anos que não têm comorbidade, a recomendação é a não suplementação.

Observação: É importante fazer um acompanhamento médico para fazer o uso do suplemento.

Fonte: Pesquisa AT, especialistas consultadas e Endocrine Society.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: