X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Saúde

Novo medicamento que retarda Alzheimer em estágios iniciais é aprovado nos EUA

Substância injetável deve ser administrada uma vez por mês


A Food and Drug Administration (FDA), agência federal de alimentos e medicamentos dos Estados Unidos (EUA), aprovou nesta terça-feira, 2, o uso do donanemabe, medicamento capaz de retardar a progressão do Alzheimer em pacientes nos estágios iniciais da doença.

Fabricado pela farmacêutica Eli Lilly e comercializado com o nome Kisunla, o medicamento é uma substância injetável que deve ser administrada uma vez por mês e se descreve como a primeira e única terapia que tem como alvo placas tóxicas no cérebro chamadas amiloides, cujo acúmulo excessivo no órgão pode levar a problemas de cognição, memória e função associados à doença de Alzheimer.

Segundo a fabricante, ao longo dos seus testes, as infusões mensais do fármaco reduziram as placas amiloides dos participantes em média em 61% aos 6 meses de uso, 80% aos 12 meses e 84% aos 18 meses em comparação com o início do estudo. A pesquisa envolveu 1.736 participantes, em oito países.

Além disso, a fabricante sugere que há evidências que indicam que a terapia pode ser interrompida quando as placas são removidas, o que levaria a menores custos de tratamento e a necessidades de menos infusões.

"Donanemabe demonstrou resultados muito significativos para pessoas com doença de Alzheimer sintomática inicial que precisam urgentemente de opções de tratamento eficazes. Sabemos que esses medicamentos têm o maior benefício clínico potencial quando as pessoas são tratadas mais precocemente e estamos trabalhando duro em parceria com importantes atores da sociedade para melhorar a detecção e o diagnóstico", disse, em nota, Anne White, vice-presidente executiva e presidente da Lilly Neuroscience.

Nos Estados Unidos, o custo da terapia será de U$ 12,5 mil (R$ 70,9 mil) para seis meses de tratamento e U$ 48,6 mil (R$ 275,8 mil) para 18 meses, de acordo com a Eli Lilly. O preço de cada frasco de Kisunla é U$ 695,65 (R$ 3,9 mil).

A Eli Lilly do Brasil comunicou que submeteu o medicamento para avaliação regulatória da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em outubro de 2023 e está aguardando a conclusão do processo pela agência. Ainda não há previsão para a chegada do medicamento ao País.

Vale destacar que o donanemabe pode causar Anormalidades de Imagem Relacionadas à Amiloide (ARIA), um efeito colateral comum em terapias que visam essa placa. A ARIA frequentemente causa inchaço temporário em áreas do cérebro, geralmente acompanhado por pequenos sangramentos. A ARIA geralmente não apresenta sintomas, embora eventos sérios e com risco de vida raramente possam ocorrer. Além disso, um efeito colateral comum do Kisunla é dor de cabeça.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: