X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Política

Veja como votou cada ministro do TSE em ação que tornou Bolsonaro inelegível

Ao todo, foram 5 votos favoráveis e 2 contrários à inelegibilidade


Imagem ilustrativa da imagem Veja como votou cada ministro do TSE em ação que tornou Bolsonaro inelegível
Sete ministros julgaram a ação, protocolada pelo PDT, que acusou Bolsonaro de ter cometido abuso de poder político e uso indevido dos meios de comunicação durante reunião com embaixadores realizada em julho do ano passado |  Foto: Divulgação/TSE

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu nesta sexta-feira (30) tornar Jair Bolsonaro (PL) inelegível por oito anos.

Ao todo, foram 5 votos favoráveis e 2 contrários à inelegibilidade. Para a atual legislação, o ex-presidente poderá concorrer ao pleito de 2030, aos 75 anos, ficando afastado portanto de três eleições até lá (sendo uma delas a nacional de 2026).

Sete ministros julgaram a ação, protocolada pelo PDT, que acusou Bolsonaro de ter cometido abuso de poder político e uso indevido dos meios de comunicação durante reunião com embaixadores realizada em julho do ano passado.

Leia mais:

Bolsonaro é declarado inelegível por 8 anos pelo TSE

"Levei uma facada nas costas", diz Bolsonaro sobre decisão do TSE

Veja como votou a corte:

BENEDITO GONÇALVES, RELATOR DA AÇÃO NO TSE

O corregedor-geral do TSE foi o primeiro a votar pela inelegibilidade de Bolsonaro. No dia 27, Benedito afirmou não ser possível fechar os olhos para discursos antidemocráticos baseados em mentiras e incitações à violência, criticou a banalização do golpismo e destacou a "epopeia de ataques do ex-presidente", com uso da imagem das Forças Armadas.

"A reunião de 18 de julho de 2022, no Palácio da Alvorada, não é uma fotografia na parede, mas um fato inserido em um contexto", disse na ocasião.

RAUL ARAÚJO, MINISTRO DO STJ

Araújo foi o primeiro a apresentar seu voto ao retomar a sessão, no dia 29, e se posicionou contra a inelegibilidade.

O ministro chegou a sugerir que a Justiça Eleitoral poderia afetar a soberania popular e a atuação do Poder Judiciário caso desconsiderasse a liberdade de expressão e as atribuições da Presidência no episódio da reunião com embaixadores —negando a gravidade do caso.

Raul vinha sendo pressionado por Bolsonaro a apresentar um pedido de vista, o que suspenderia o julgamento. Ele optou, porém, por dar prosseguimento à ação, garantindo recurso do julgamento ao STF.

FLORIANO DE AZEVEDO MARQUES

Marques votou a favor da inelegibilidade de Bolsonaro. O ministro aceitou a inclusão da minuta, mas disse que o comportamento do ex-presidente na reunião com os embaixadores é suficiente para a ação.

"Houve desvio de finalidade na medida em que o investigado usou de suas competências de chefe de Estado para criar uma aparente reunião diplomática com o objetivo, na verdade, de responder ao TSE e construir uma persona de candidato, servindo-se dos meios e instrumentos oficiais, inclusive de comunicação social, para alcançar seu destinatário: o eleitor", afirmou.

ANDRÉ RAMOS TAVARES

O ministro foi o terceiro a votar pela inelegibilidade do ex-presidente. Ele afirmou que as falas do ex-presidente chegaram a caracterizar uma narrativa delirante, "com efeitos nefastos na democracia, no processo eleitoral, na crença popular em conspirações acerca do sistema de apuração dos votos".

Seu voto foi o último apresentado na quinta (29), fechando a sessão com um placar de 3 votos a favor da inelegibilidade de Bolsonaro e 1 contrário à ação.

CÁRMEN LÚCIA, DO STF

A ministra seguiu o relator, Benedito Gonçalves e deu o voto decisivo para formar maioria pela inelegibilidade do ex-presidente.

Cármen Lúcia fez uma defesa enfática dos colegas do STF que protagonizaram embates com o ex-mandatário e disse que Bolsonaro fez "achaque a ministros" do Supremo.

KASSIO NUNES MARQUES, MEMBRO DO STF

Indicado ao Supremo por Bolsonaro, Marques votou a favor do ex-presidente e deixou o placar do julgamento em 4 a 2. O ministro defendeu o sistema eletrônico de votação, mas disse não ter visto gravidade suficiente na ação de Bolsonaro que mereça sua responsabilização com inelegibilidade.

O ministro costuma se manter fiel a pautas bolsonaristas em curso no Judiciário. Por esse motivo, era um dos possíveis aliados do ex-presidente, de quem era esperada a apresentação de um pedido de vista (mais tempo para analisar o caso) para atrasar a decisão da corte.

ALEXANDRE DE MORAES, MEMBRO DO STF

O ministro Alexandre de Moraes deu o quinto e último voto pela declaração de inelegibilidade de Jair Bolsonaro. O magistrado classificou a reunião com embaixadores em que o ex-presidente desacreditou, sem provas, o sistema de votação como um "monólogo eleitoreiro".

Afirmou também que as declarações do ex-mandatário não são opiniões possíveis, mas mentiras. Ele disse, ainda, que o tribunal não inova ao declarar Bolsonaro inelegível e citou a ação que levou à cassação do ex-deputado estadual Fernando Francischini por ter difundido mentiras sobre as urnas eletrônicas.

AÇÃO CONTRA WALTER BRAGA NETTO

Os ministros defenderam, por unanimidade, que o general da reserva Walter Souza Braga Netto, também alvo da ação, não deve ter os direitos políticos cassados, entendendo que ele não teve envolvimento com o encontro com os representantes estrangeiros e, portanto, não deve ser condenado.

Braga Netto foi candidato a vice-presidente na chapa de Bolsonaro nas eleições de 2022.

Leia mais:

Defesa de Bolsonaro avalia recorrer da decisão do TSE no STF

Valdemar vê injustiça do TSE e diz que Bolsonaro será "eleitor mais forte"

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: