X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Política

PF quebra senhas de celulares de Wassef e acessa dados dos aparelhos

Advogado foi alvo de mandados de busca e apreensão quando estava em uma churrascaria


Imagem ilustrativa da imagem PF quebra senhas de celulares de Wassef e acessa dados dos aparelhos
Wassef é investigado pela PF por suposto envolvimento em um esquema de venda de joias presenteadas ao governo brasileiro |  Foto: Reprodução

A Polícia Federal conseguiu quebrar as senhas dos quatro celulares de Frederick Wassef, advogado do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), que foram apreendidos pela corporação na última quarta-feira (16), em São Paulo. A informação foi divulgada pela GloboNews e confirmada pelo UOL.

Wassef entregou os aparelhos sem fornecer as senhas. O advogado foi alvo de mandados de busca e apreensão quando estava em uma churrascaria no Morumbi.

A PF também apreendeu um carregador de pistola com munição. Segundo a colunista do UOL Juliana Dal Piva, dois dos quatro telefones recolhidos estavam com Wassef. Os outros dois estavam em um veículo sem placa parado em uma vaga para deficientes no estacionamento.

A ação da PF aconteceu um dia após o advogado confirmar que comprou, nos Estados Unidos, um Rolex que havia sido dado de presente ao ex-presidente e vendido pelo tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro.

Wassef é investigado pela PF por suposto envolvimento em um esquema de venda de joias presenteadas ao governo brasileiro. Os itens foram entregues a Bolsonaro durante agenda oficial na Arábia Saudita.

A PF constatou que o relógio foi vendido nos Estados Unidos e recomprado por um preço mais alto após o TCU (Tribunal de Contas da União) ordenar a devolução dos presentes que o ex-presidente ganhou.

Na última terça-feira (15), Wassef promoveu uma entrevista coletiva na qual afirmou que fez a compra, em março, por iniciativa própria e sem um pedido de Bolsonaro.

Ele negou que tenha havido uma "operação resgate", expressão usada pela Polícia Federal na investigação.

"Eu comprei o relógio. A decisão foi minha. Usei meus recursos, eu tenho a origem lícita e legal dos meus recursos. Eu tenho conta aberta nos Estados Unidos, em um banco em Miami, e usei do meu dinheiro para pagar o relógio. Então, o meu objetivo quando eu comprei esse relógio era exatamente para devolver à União, ao governo federal do Brasil, à Presidência da República, e isso, inclusive, por decisão do Tribunal de Contas", disse.

De acordo com relatório da PF, o Rolex Day-Date tinha sido vendido nos Estados Unidos para a empresa Precision Watches e foi "recuperado" por Wassef no dia 14 de março.

O advogado, ainda segundo a polícia, retornou com o bem para o Brasil em 29 de março e, em 2 de abril, o repassou a Mauro Cid em São Paulo.

Wassef disse na semana passada que está sendo investigado sem justa causa e que foi incluído no inquérito em uma tentativa ilegal de pescaria de provas. Também rechaçou que tenha tido um "papel central em esquema de venda de joias".

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: