X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Suplente nega acusação de ser o mandante de sequestro de vereador no Estado

| 05/03/2021 17:57 h

Josué José Celírio é considerado foragido. Buscas já foram realizadas
Josué José Celírio é considerado foragido. Buscas já foram realizadas |  Foto: Divulgação/AT

Principal suspeito de ser o mandante do sequestro e ameaça contra o vereador de Brejetuba, Antônio da Saúde (Cidadania), o suplente do mesmo partido, Josué José Celírio, negou envolvimento com o crime e alegou sofrer perseguição política. 

Ele é investigado por, supostamente, mandar sequestrar e ameaçar o vereador Antônio da Saúde, para que ele renunciasse ao cargo. Na quarta-feira (3), a justiça determinou a prisão preventiva de Josué José e, segundo a Secretaria de Estado da Justiça, ele é considerado foragido.

À imprensa, o delegado responsável pelo caso, Cláudio Rodrigues Araújo, afirmou, na quarta-feira (3), que: “Em princípio, quatro pessoas têm envolvimento no crime, uma não está identificada ainda e a terceira pessoa que foi identificada como mandante é realmente o suplente”.

Já com o mandado de prisão preventiva em aberto, o político afirmou ao Tribuna Online, por meio de seu advogado Patrick Leonardo Carvalho dos Santos, que é inocente de todas as acusações e que logo vai se apresentar às autoridades policiais para prestar esclarecimentos.

De acordo com Patrick Leonardo, o único indício concreto de que houve a participação de Josué no crime é a versão da vítima, Antônio da Saúde.

"A orientação da defesa de Josué está sendo realizada com o intuito de colaborar com a justiça, mas fatos novos serão apresentados durante a investigação defensiva, demonstrando que a prisão preventiva está sendo totalmente desproporcional", afirmou o advogado de defesa. 

O caso

No dia 17 de fevereiro, Quarta-feira de Cinzas, o vereador Antônio da Saúde teria recebido uma carona de um homem de 42 anos - preso no dia 25 de fevereiro.

Junto a um outro suspeito, da cidade de Mutum (MG), que entrou posteriormente no veículo, o homem teria apontado arma de fogo para a cabeça de Antônio e mostrado foto do filho do vereador, a quem teriam ameaçado matar, caso o parlamentar não renunciasse ao mandato.

“Pararam o carro e com a arma apontada para minha cabeça foram logo afirmando que eu tinha feito um acordo com o Josué e que eu o tinha traído e, por isso, eu tinha que assinar alguns documentos”, disse Antônio em depoimento à Polícia Civil.

O vereador conta que foi levado no carro de Brejetuba a Viana, onde foi obrigado a assinar durante o trajeto a sua renúncia. Um quarto suspeito seria um motociclista que teria ido buscar os papéis e levado para protocolar a renúncia na câmara.

Veículo

O primeiro detido no caso, no dia 25, já tinha mandado de prisão em aberto por outro crime. O veículo utilizado no sequestro foi localizado e apreendido, na ocasião, com o apoio da Polícia Militar, em uma oficina mecânica, na localidade de Córrego Grande, na zona rural de Brejetuba. 

De acordo com o advogado Patrick Leonardo, que também representa o suspeito de 42 anos, um dia após a prisão dele, no dia 26 de fevereiro, ele acabou confessando a suposta prática criminosa de forma indevida, pois estava sem o acompanhamento ou orientação de seu advogado.

"Segundo informações do meu cliente, ele decidiu confessar o crime depois do contato que obteve com alguns familiares na Delegacia de Viana-ES, pois estava aguardando a sua condução para o Centro de Triagem de Viana-ES", contou Patrick Leonardo.

Ainda segundo a defesa, o homem de 42 anos não deseja sustentar a versão a qual confessou o suposto crime.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS