X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Mãe e filha contrataram assassino de agricultora, diz advogado

| 13/12/2019 07:54 h | Atualizado em 14/12/2019, 13:00

Sula Almeida e sua filha Flávia Almeida
Sula Almeida e sua filha Flávia Almeida |  Foto: Reprodução/Facebook
O advogado José Carlos Silva revelou ontem que um triângulo amoroso envolvendo um homem, sua mulher e sua irmã de criação acabou em tragédia em Vargem Alta, no Sul do Estado.

Os detalhes sobre a trama que acabou no assassinato da agricultora Thamires Lorençoni Mendes, de 26 anos, foram contados ontem à polícia. A vítima foi morta com três tiros, no último dia 30 de novembro.

José Carlos defende a comerciante Sulamita Almeida, conhecida como Sula, 42, e a filha dela, Flávia Almeida Silva, 18, que estão presas. Ele relatou que elas teriam contratado uma pessoa para “dar um susto” em Thamires e, para isso, teriam pagado R$ 1.500.

Segundo o advogado, Sula teve a ideia de “dar um susto” em Thamires para tirar a agricultora do caminho da filha.

De acordo com José Carlos, desde que tinha 13 anos, Flávia manteria um relacionamento com o irmão de criação, Gédson Thomazini, marido de Thamires. Sula é casada com o pai de Gédson.

Ainda segundo o advogado, mesmo casado com Thamires, Gédson continuava se relacionando com a irmã de criação e nutria na jovem a esperança de que iria se separar da mulher.

Os frequentes desentendimentos entre Thamires e Flávia teriam ficado mais sérios depois que Gédson decidiu morar na casa que fica embaixo de onde vivem o pai dele, Sula e Flávia.

Segundo o advogado, a comerciante, então, deu à filha a ideia de “dar um susto” para que a agricultora se afastasse de Gédson. Mas a comerciante teria desistido da ideia. “A filha, porém, levou a proposta a sério e contratou, por R$ 1.500, um homem para dar o 'susto' na vítima”, contou.

O advogado garante que a intenção de mãe e filha nunca foi matar Thamires. “A intenção era afastar a menina do caminho dela. O fato de ela ter morrido acabou com o relacionamento entre eles e das famílias”.

José Carlos disse, ainda, que Thamires respondia a um processo por agressões contra outra mulher da região e o pivô do problema também teria sido o marido dela.

Sula e Flávia prestaram depoimento ontem, na Delegacia de Rio Novo do Sul, mas os detalhes do que elas disseram não foram divulgados pela Polícia Civil.

Leia também: "Elas mataram minha filha por inveja", diz mãe de agricultor Mãe e filha presas por matarem agricultora em Vargem Alta Mãe e filha acusadas de mandarem matar agricultora são encaminhadas a presídio

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS