search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

"Elas mataram minha filha por inveja", diz mãe de agricultora assassinada

Notícias

Polícia

"Elas mataram minha filha por inveja", diz mãe de agricultora assassinada


Thamires Lorençoni tinha três filhos pequenos (Foto: Reprodução / Redes Sociais)
Thamires Lorençoni tinha três filhos pequenos (Foto: Reprodução / Redes Sociais)
Dez dias após o assassinato da agricultora Thamires Lorençoni Mendes, de 26 anos, morta com três tiros no dia 30 de novembro, em Vargem Alta, na região Serrana, a família do casal tenta se adaptar à ausência dela.

As crianças, um menino de 3 anos e duas meninas de 7 e 8 anos, estão com a avó. “Perdi minha filha e agora vão ficar os netos sem a mãe”, disse a mãe de Thamires, a comerciante Débora Maria Lorençoni, 51.

Com a foto da filha na tela do celular e o olhar distante, carregado de lembranças da filha, a comerciante conversou com A Tribuna em sua casa e contou que já não tem mais lágrimas para chorar a perda da filha.

A Tribuna – Como está a senhora agora, depois do crime?
Débora Lorençoni – Não tenho mais lágrimas de tanto que chorei pela minha filha. Nem sei quando terei lágrimas novamente. Se a gente tem uma filha que usa drogas, até espera que possa acontecer. Mas Thamires só sabia trabalhar e cuidar dos filhos. Perdi minha filha e agora vão ficar os netos sem a mãe. Uma está com febre, vomitando. O pequeno não come.

Qual a lembrança que fica?
Minha filha era amorosa com todo mundo. Gostava de ajudar. Na feira, o que sobrava doava para os outros. Não vivia na casa de ninguém fofocando para vir essas duas (Sula e Flávia) e fazer isso com ela. Destruíram minha vida.

Débora Lorençoni, de 51 anos, diz que perdeu a filha, e os netos, a mãe (Foto: Alessandro de Paula )
Débora Lorençoni, de 51 anos, diz que perdeu a filha, e os netos, a mãe (Foto: Alessandro de Paula )

Como está seu genro?
Ele está morrendo aos poucos. Está acabado. Emagreceu. Disse que está com um nó na garganta e não consegue comer, inconformado. Acabaram com a vida dele.

Vocês desconfiavam delas?
Desde o início. Minha filha e o marido estavam reformando a casa embaixo (da delas) para se mudar para lá. A madrasta dele e a filha moravam no andar de cima, com o pai de Gedson. Ela (a madrasta) falava que para aquela casa ela não ia. Que estavam fazendo à toa. Mas nunca imaginaria que iriam fazer isso com minha filha.

O que motivou o crime?
As duas não iam aguentar a felicidade dos dois. Eles se amavam de verdade. Eles eram felizes. Acharam que iam ficar impunes. Elas não imaginavam que iriam ser presas. As duas mataram minha filha por ciúme e inveja. Não iriam suportar um casal tão feliz debaixo da casa delas. A menina era apaixonada pelo Gedson, mas ele não correspondia.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados