X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Polícia

Ação da Polícia Civil termina com morte de suspeito por homicídio na Serra

Equipes realizavam buscas após a morte de um homem nesta terça-feira na Serra


Uma ação da polícia no bairro Central Carapina, na Serra, em busca de suspeitos pela morte do jovem Alefin de Almeida Miranda - assassinado a tiros nesta terça-feira (13) dentro de um carro no bairro Jardim Tropical, também na Serra - terminou em tiroteio, confronto e a morte de um dos suspeitos pelo crime. 

Imagem ilustrativa da imagem Ação da Polícia Civil termina com morte de suspeito por homicídio na Serra
Arma apreendida com Wanderson Macedo Silva |  Foto: Divulgação / Polícia Civil

Wanderson Macedo Silva, de 24 anos, tinha 11 passagens pela polícia, por tráfico de drogas, porte ilegal de arma de fogo e homicídio. Ele era um dos quatro suspeitos de atirar em Alefin na tarde da última terça (13), e acabou sendo morto após ameaçar a equipe policial e desobedecer à voz de prisão.

Após o confronto, um grupo de pessoas ainda ateou fogo em veículos. Muitos comerciantes locais fecharam estabelecimentos e os ônibus chegaram a parar de circular no local. 

"Algumas pessoas envolvidas com a criminalidade do local atearam fogo em dois veículos para causar o pânico e o caos e tentar intimidar a presença do Estado, para que nós, Polícia Militar e Civil nos afastássemos do local", contou o major Maurício da Polícia Militar.

O CONFRONTO

Segundo o delegado Rodrigo Sandi Mori, a polícia realizava uma ação depois de identificar os quatro suspeitos pela morte de Alefin, morto a tiros na frente do pai, do filho e da enteada, dentro de um carro.  

Ao chegarem na região conhecida como Favelinha, no bairro Central Carapina, dois dos suspeitos foram vistos em uma casa e foi feito um cerco policial à residência. "Um policial visualizou o indivíduo q foi morto saindo da residência com um revolver calibre .38 nas mãos. Foi dado ordem de parada por diversas vezes, para ele se render e jogar a arma ao chão, porém ele não obedeceu e tentou se evadir por um muro aos fundos da residência com a arma apontada em direção a um policial", relatou o titular da DHPP da Serra.

Neste momento foi disparado o primeiro disparo, que atingiu a perna do suspeito. Ainda segundo o delegado, mesmo atingido, o homem continuou apontando a arma para o policial, que disparou novamente, atingindo o peito do suspeito.

Ele chegou a ser socorrido e levado para um posto de saúde do bairro mas acabou morrendo enquanto era transferido de Samu. O motivo da transferência se deu, segundo o delegado, porque "indivíduos do trafico da região foram ate a rua atras do posto de saúde e começaram a efetuar disparos de arma de fogo na tentativa de nos intimidar e resgatar o indivíduo que estava baleado no local". 

O SUSPEITO

Wanderson Macedo Silva, de 24 anos, tinha 11 passagens pela polícia, com acusações por tráfico de drogas, porte ilegal de arma de fogo e homicídio, e estava foragido do sistema prisional há 20 dias. "É um individuo de alta periculosidade", afirmou Sandi Mori.

"Podemos afirmar que ele é um dos dois suspeitos que participaram do homicídio de ontem e a arma apreendida nas mãos dele possivelmente foi a mesma utilizada no homicídio ocorrido no bairro Jardim Tropical", completou.

Em 2016, Wanderson foi preso em Vila Velha em circunstâncias parecidas com as desta quarta, tentando fugir de um cerco policial com uma arma de fogo em mãos. Na ocasião ele não foi baleado. 

POLICIAMENTO NA REGIÃO

Segundo o Major Maurício, da Polícia Militar, o bairro Central Carapina é constantemente policiado e tem uma base comunitária móvel que permanece no local. Ele afirmou que os  números de homicídios no local estão controlados, apesar do evento que ocorreu nesta quarta. 

"Nós vamos permanecer lá até que as pessoas se sintam tranquilas para abrir seus comércios, funcionar escolas, postos de saúde e circular os ônibus", declarou.

A polícia também pediu que a população faça denúncias através do 181, para ajudar a descobrir quem foram os autores dos incêndios aos veículos. 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: