search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

“Não podemos achar que o ano está perdido”, diz educador

Notícias

Publicidade | Anuncie

Cidades

“Não podemos achar que o ano está perdido”, diz educador


O ano de 2020 está sendo de muitos desafios devido à pandemia do coronavírus, e na área da educação não é diferente. Apesar das dificuldades, para o professor Eduardo Deschamps, que atua no Conselho Nacional de Educação, este é um ano diferente.

Eduardo Deschamps: escola deve acompanhar   aluno para  evitar a   evasão (Foto: Divulgação)
Eduardo Deschamps: escola deve acompanhar aluno para evitar a evasão (Foto: Divulgação)
“Não podemos achar que o ano está perdido. Entendo que houve um esforço gigantesco dos professores, gestores e das próprias famílias para que o processo educacional pudesse continuar. Certamente haverá lacunas educacionais que serão recuperadas. O esforço que os professores realizaram ao longo do período é uma das questões que embasa a afirmação que não há um ano perdido, mas sim diferente”, afirmou.

O educador, que é doutor em Engenharia Elétrica, participou ontem do 2º Congresso Digital Educacional, promovido pelo Sindicato das Empresas particulares de Ensino do Espírito Santo (Sinepe/ES), e falou sobre “Educação em tempos de pandemia: diretrizes para o novo normal”.

Durante a palestra, o professor disse que é importante que as escolas acompanhem os alunos para evitar a evasão escolar. Ele ainda disse que alguns estados utilizam tecnologia artificial para identificar sinais de possíveis evasões.

“É importante acompanhar os sinais que o aluno vai dando, em termos de entregas de atividades e a participação nas aulas que estão sendo realizadas de forma não presencial”, disse.

O professor ainda afirmou que o ensino escolar trará muitos impactos e efeitos da pandemia.

“Vai ter um olhar muito mais forte em relação às possibilidades da utilização da tecnologia para aprendizagem, um olhar também em relação à questão do ensino híbrido (presencial com a distância)”.

O conselheiro ainda falou sobre os desafios que os professores enfrentam durante esse período.

“No começo da pandemia, uma pesquisa apontava a preocupação dos professores com a questão da família e também da pouca capacitação existente em relação à utilização de tecnologia. Depois, em pesquisas posteriores, essa questão da tecnologia foi reduzida e a preocupação passava a ser com as questões psicológicas dos alunos e deles mesmos”.

Para Deschamps, as escolas que se sairão melhor nesse retorno são as instituições que tenham currículos mais claros, que saibam utilizar as tecnologias e que realizem acompanhamento psicológico.
 

Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados