X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Premiê renuncia frente a pressão por reformas na Autoridade Palestina

Renúncia de Shtayyeh ainda precisa ser aceita por Abbas


Imagem ilustrativa da imagem Premiê renuncia frente a pressão por reformas na Autoridade Palestina
Mohammad Shtayyeh anunciou seu pedido de renúncia |  Foto: Reprodução/Instagram Shtayyeh

Um dos principais líderes de um grupo atualmente em descrédito, o premiê da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mohammad Shtayyeh, anunciou nesta segunda (26) seu pedido de renúncia com o argumento de permitir que palestinos formem um consenso sobre os rumos de sua política em meio à guerra em Gaza.

A decisão ocorre em um momento em que há ampla pressão dos Estados Unidos para que o presidente da ANP, Mahmoud Abbas, reforme a autoridade, à medida que os esforços internacionais se intensificaram para interromper os ataques a Gaza.

Constituída em 1993, a ANP governa apenas parcialmente a Cisjordânia, um território palestino ocupado cuja governança se assemelha a uma colcha de retalhos após a divisão do território travada após os Acordos de Oslo --e que é desrespeitada até hoje.

A renúncia de Shtayyeh ainda precisa ser aceita por Abbas, que pode pedir que seu primeiro-ministro cessante permaneça no cargo como interino até que um substituto permanente seja nomeado.

Acadêmico e economista, o premiê assumiu o cargo em 2019. Em comunicado, seu gabinete disse que a próxima etapa da ANP precisa levar em conta a realidade de Gaza, devastada após quase cinco meses de intenso conflito armado. Quase 30 mil pessoas morreram na Faixa.

"A próxima fase exige novos acordos governamentais e políticos que tenham em conta a realidade emergente da Faixa de Gaza, as conversas sobre unidade nacional e a necessidade, urgente, de um consenso palestino", disse ele, que também falou sobre uma "extensão da autoridade da ANP sobre todo o território da Palestina".

Em jogo, como mostra a última frase de Shtayyeh, está a capacidade da Autoridade Palestina de governar uma Gaza pós-guerra, ainda que haja ampla descrença em relação a isso.

Na última semana, o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, apresentou a seu gabinete de segurança um plano para o pós-conflito que dizia que a autoridade de Gaza, hoje em mãos do Hamas, seria repassada para "funcionários locais não ligados ao terrorismo".

O plano não fazia qualquer menção à ANP.

O Fatah, grupo que controla a ANP, e o Hamas, a facção terrorista que governa Gaza desde os anos 2000, têm feito esforços para chegar a um acordo sobre um governo de unidade e devem se encontrar em Moscou, na Rússia, nesta quarta-feira (28).

Um alto funcionário do Hamas disse à agência Reuters que a medida deve ser seguida por um acordo mais amplo sobre governança.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: