X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Israel acusa Jihad Islâmica de errar bombardeio e atingir hospital

Maioria das mais de 500 vítimas é composta por mulheres e crianças, afirmou o Ministério da Saúde


Imagem ilustrativa da imagem Israel acusa Jihad Islâmica de errar bombardeio e atingir hospital
Porta-voz afirmou que houve um disparo em massa de foguetes em direção a Israel no momento do ataque ao hospital |  Foto: Reprodução/Canva

O Exército de Israel acusou a Jihad Islâmica de ser responsável pelo ataque que atingiu um hospital na Faixa de Gaza e deixou mais de 500 mortos. Segundo o porta-voz do Exército, Daniel Hagari, o bombardeio foi foi fruto de um disparo fracassado do grupo, que também atua contra Israel na região.

O porta-voz afirmou que houve um disparo em massa de foguetes em direção a Israel no momento do ataque ao hospital. Na rede social X, antigo Twitter, ele diz que as informações são da inteligência de Israel e de "diversas fontes do que dispomos".

O perfil de Israel no X também publicou vídeos junto ao comunicado.

"A partir da análise dos sistemas operacionais das FDI [Forças de Defesa de Israel], foi realizada uma barragem de foguetes inimigos em direção a Israel, que passou nas proximidades do hospital, quando foi atingido. De acordo com informações de inteligência, de diversas fontes de que dispomos, a organização GAP é responsável pelo tiroteio fracassado que atingiu o hospital", declarou o porta-voz do Exército de Israel.

O Hamas e a Autoridade Palestina acusaram Israel de serem autores do ataque. O Hospital Batista Al-Ahly Arab é localizado no centro da cidade de Gaza e tinha, além de pacientes e profissionais de saúde, diversas pessoas deslocadas dentor de Gaza, que procuraram o local como um ponto seguro.

A maioria das vítimas é composta por mulheres e crianças, afirmou o Ministério da Saúde. O governo que administra a Faixa de Gaza atribuiu o ataque a Israel e chamou o ato de "crime de guerra", segundo nota obtida pela CNN.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) destacou que o hospital estava na lista de evacuações ordenadas por Israel -um ato criticado pela ONU.

"O hospital era um dos 20 no norte da Faixa de Gaza que estavam recebendo ordens de evacuação dos militares israelenses. A ordem de evacuação foi impossível de ser cumprida devido à insegurança atual, à condição crítica de muitos pacientes e à falta de ambulâncias, equipe, capacidade de leitos do sistema de saúde e abrigo alternativo para os deslocados", diz um trecho da nota da OMS.

Atacar deliberadamente hospitais é considerado um crime de guerra, segundo o Estatuto de Roma. "Conduzir intencionalmente ataques contra edifícios dedicados à religião, educação, arte, ciência ou fins de caridade, monumentos históricos, hospitais e locais onde os doentes e feridos são recolhidos, desde que não sejam objetivos militares", diz o Artigo 8 do Estatuto.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: