X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Exército envia blindados para fronteira com a Venezuela

Além de 20 veículos, 130 homens reforçam a segurança na fronteira do Brasil com a Venezuela, por temer conflito com a Guiana


Imagem ilustrativa da imagem Exército envia blindados para fronteira com a Venezuela
Blindado Guaicuru, do Exército Brasileiro: veículos vão ajudar a segurança em Pacaraima, no estado de Roraima |  Foto: Divulgação

O Exército brasileiro confirmou que deslocou 20 blindados na segunda-feira (04) para enviar a Pacaraima, no norte de Roraima, diante da situação na fronteira com a Venezuela que pode se agravar, principalmente depois do plebiscito que aprovou a anexação da região de Essequibo que hoje pertence à Guiana.

O ministro da Defesa, José Múcio, disse na segunda-feira (04) que a operação já estava planejada para o combate ao garimpo na região.

Leia mais notícias Internacionais

Os equipamentos vão ficar no quartel de Boa Vista, em Roraima — esquadrão que vai ser transformado em regimento de cavalaria, com 130 militares.

Militares brasileiros temem que, se o presidente venezuelano Nicolás Maduro levar adiante a invasão do território vizinho, obrigatoriamente teria que passar por Roraima.

“Sem a autorização brasileira, Maduro estaria se indispondo com o Brasil, seu principal aliado no continente para entrar em um conflito que ninguém sabe as consequências”, avaliou a jornalista Monica Gugliano, em sua coluna no Estadão.

Os blindados, do modelo Guaicuru, assim como o aumento do número de homens, vão atuar como força de dissuasão.

Maduro, que governa a Venezuela há praticamente uma década, teme pela sua reeleição em 2024. Ele enfrenta o descontentamento de uma parte significativa da população. Dessa forma, o plebiscito (no qual 10,5 milhões de um total de 20,7 milhões de eleitores disseram sim) e a ideia de anexar uma parte do território da Guiana mobilizaria o povo, acenderia sentimentos patrióticos.

Essequibo, que a Venezuela reivindica, representa dois terços do território da Guiana em uma área de 160 mil quilômetros quadrados, que é razão de uma disputa histórica entre os dois países há séculos.

A região é rica em recursos naturais e fez com que o país se tornasse atualmente o que mais cresce na região. Hoje, a Guiana, um país com 800 mil habitantes, tem as maiores reservas de petróleo per capita.

Já a Venezuela tem as maiores reservas absolutas, embora sua capacidade de produção – por causa do colapso da estatal PDVSA – tenha diminuído de 3,4 milhões de barris/dia para 700 mil/dia.

Saiba mais

Referendo

Os venezuelanos aprovaram no domingo (03) em referendo a proposta de seu governo para criar um novo estado em Essequibo, a região hoje controlada pela Guiana que os dois países disputam.

Segundo o governo da Venezuela, mais de 95% dos eleitores votaram a favor da questão na consulta pública.

Disputa

A fronteira atual entre os dois países foi definida por um acordo arbitral de Paris de 1899. A Venezuela reivindica a implantação do Acordo de Genebra, que determina uma solução negociada.

O acordo foi firmado em 1966 com Reino Unido, antes da independência guianesa, que anulou o laudo arbitral francês. A controvérsia está há anos nas mãos da Corte Internacional de Justiça.

Essequibo tem 160 mil km, é rica em petróleo e recursos naturais, e equivale a 2/3 do território da Guiana, abrigando 125 mil habitantes.

Fonte: Pesquisa AT

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: