X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Internacional

Blinken diz a Lula que discorda de comparação de Gaza com Holocausto

Secretário de Estado dos EUA se reuniu com Lula na quarta-feira, no Palácio do Planalto, em Brasília


Imagem ilustrativa da imagem Blinken diz a Lula que discorda de comparação de Gaza com Holocausto
Antony Blinken e Lula se reuniram na quarta-feira |  Foto: Ricardo Stuckert/PR

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, se reuniu nesta quarta-feira, 21, com o presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, no Palácio do Planalto, em Brasília - uma escala do chefe da diplomacia americana antes da reunião de chanceleres do G20, no Rio.

Segundo o porta-voz do Departamento de Estado, Matthew Miller, na conversa entre os dois, a portas fechadas, Blinken disse a Lula que discorda da comparação de Gaza com o Holocausto, feita pelo brasileiro no domingo, 18.

"O secretário (Blinken) teve a oportunidade de discutir os comentários com o presidente Lula no encontro, no contexto da discussão geral sobre o conflito em Gaza, e deixou claro que são comentários com os quais discordamos", afirmou Miller. O tema é sensível para Blinken, que é judeu e já relatou algumas vezes a história de como o seu padrasto, o advogado Samuel Pisar, sobreviveu ao Holocausto.

A crise diplomática entre Brasil e Israel foi desatada após a comparação que o presidente fez entre o Holocausto e a campanha militar israelense contra o Hamas. Após uma troca de reprimendas e de consultas com embaixadores, Lula foi declarado persona non grata em Israel - uma forma de dizer que o brasileiro não é bem-vindo no país.

Em um post no X (ex-Twitter), a chancelaria de Israel chegou a afirmar que Lula havia negado o Holocausto. O Itamaraty respondeu na terça-feira. O chanceler Mauro Vieira acusou o governo israelense de atacar o Brasil de forma "insólita" e "revoltante". O governo estudou vários cenários, mas optou por não alimentar mais a crise.

Expulsão

Uma das alternativas analisadas é a expulsão do embaixador de Israel no País, Daniel Zonshine, que por enquanto está descartada. Mas, em conversas reservadas, auxiliares de Lula dizem que a ideia foi apresentada a ele e o tema pode voltar à agenda se a diplomacia israelense subir o tom ou adotar alguma medida mais séria.

"Hoje, o nosso foco é no G20, não em amplificar a tensão", disse um diplomata ao Estadão. A expulsão de um embaixador é uma atitude muito drástica, que será tomada apenas em último caso, embora o cenário tenha sido apresentado a Lula na reunião de segunda-feira, que contou com a presença de integrantes da coordenação política do governo e do assessor para Assuntos Internacionais, Celso Amorim.

Nos últimos meses, o Itamaraty já teve quatro consultas com Zonshine para manifestar insatisfação com Israel ou com ele próprio, após sua participação em uma reunião com parlamentares de oposição com a presença de Jair Bolsonaro, no ano passado.

Agora, um dos alvos da insatisfação brasileira é o chanceler israelense, Israel Katz, que levou o embaixador do Brasil em Tel-Aviv, Frederico Meyer, ao Museu do Holocausto para lhe passar uma reprimenda pública em hebraico. Lula e Vieira consideraram o episódio uma humilhação. Meyer foi chamado de volta a Brasília, mas Lula não decidiu ainda pela remoção completa.

Interesses

A relação entre Brasil e Israel está deteriorada no mais alto nível, entre Lula e o premiê Binyamin Netanyahu, e no primeiro escalão ministerial, entre Vieira e Katz. Mas o Brasil não quer colocar mais lenha na fogueira. A expulsão de Zonshine poderia desencadear o rompimento de relações diplomáticas, algo que não interessa a nenhum dos lados.

A indisposição com embaixador não é nova. Desde o ano passado, parlamentares do PT pedem sua expulsão, entre eles o líder do governo na Câmara, José Guimarães (CE). Agora, aliados de Lula voltaram a defender uma atitude mais severa. O Itamaraty, porém, busca uma trégua. Segundo uma fonte a par da última conversa entre Vieira e Zonshine, a posição brasileira de não escalar a crise foi claramente transmitida a ele.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: