X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Economia

Volta do Imposto Sindical pode custar 3 dias de trabalho por ano. Entenda

Antes de ser revogada, em 2017, a contribuição era equivalente a um dia



Imagem ilustrativa da imagem Volta do Imposto Sindical pode custar 3 dias de trabalho por ano. Entenda
A taxa de contribuição será de até 1% do rendimento anual do trabalho |  Foto: Marcello Casal/Agencia Brasil

O Governo está se preparando para a volta do imposto sindical, que deixou de ser obrigatória com a Reforma Trabalhista. Com a nova proposta do Ministério do Trabalho, a taxa de contribuição, que era equivalente a um dia de trabalho, passa a ser de três dias, ou seja, até 1% do rendimento anual do trabalho.

De acordo com um levantamento do Departamento Intersindical de Estatística (Dieese), com a falta da exigência, a arrecadação dos sindicatos caiu em 98%, passando de R$ 3,6 bilhões para R$ 68 milhões em 2023.

Apesar de não ter se pronunciado publicamente, aliados do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) disseram ao Valor que ele está “reticente” quanto a volta da taxa e já declarou que se sentiu “contrariado pelas tentativas do governo de alterar medidas aprovados nos últimos anos pelo Legislativo, como o marco legal do saneamento”.

A oposição já tem uma opinião clara e declarada sobre a contribuição. O líder da oposição no Senado, Rogério Marinho (PL-RN) a chamou de “retrocesso inaceitável”, enquanto o senador Marcos Rogério (PL-RO) acusou a proposta de “roubar três dias de rendimento do trabalhador”. 

A base do governo também não vê a proposta com bons olhos. O líder do União Brasil, que conta com três ministérios no governo Lula, o senador Efraim Filho (PB) criticou a obrigatoriedade e atribuiu uma “memória muito negativa” a ela. Além disso, outra fonte aliada afirmou ao Valor que o plano é impopular entre os prefeitos, principais cabos eleitorais de deputados e senadores, e pode não avançar, uma vez que as eleições municipais acontecem já no próximo ano.

O projeto de contribuição obrigatória deve ser entregue aos parlamentares em setembro, mas ainda precisa da aprovação do presidente Lula.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: