X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Tribuna Agro

África tem importado DNA do gado e capim brasileiro

Intenção é desenvolver a produção local



Imagem ilustrativa da imagem África tem importado DNA do gado e capim brasileiro
Gados brasileiros têm sido exportados para a África |  Foto: Divulgação

O gado e o capim brasileiro estão sendo destaques na África. O “DNA” dos dois produtos estão sendo importados para desenvolver a produção local.

A zootecnista e especialista em gestão pecuária Renata Erler explica que, na Angola, há um movimento de trazer gados brasileiros da raça nelore.

Leia mais sobre Tribuna Agro

“O clima é muito parecido com o oeste baiano e o nelore brasileiro já está adaptado. Cada criador tem a sua linhagem e está vendo qual se adaptará melhor, mas a base de todas é o nelore brasileiro”, explicou a especialista.

Já sobre o capim, Renata Erler relata que, apesar de a base serda própria África, a alta capacidade de produção brasileira causa uma importação.

“As bases genéticas do capim utilizados em todo o Brasil, especialmente das braquiárias, tem origem africana, mas, foram geneticamente melhoradas aqui, principalmente através do trabalho desenvolvido pela Embrapa. Agora, essa mesma pastagem, com o melhoramento genético, está sendo levada para o outro lado do oceano, com seus aprimoramentos, a fim de ser utilizada para a pecuária de lá”, explica a especialista.

Erler, inclusive, está indo para a Angola gerenciar e prestar consultoria técnica em pecuária de corte para uma fazenda.

A propriedade em questão é uma antiga fazenda de café, com 30 mil hectares de extensão e que, desde 2018, investe em pecuária sustentável. Nesse cenário, Erler terá como desafio fazer o manejo do gado nelore, em uma área de mais de 20 mil hectares.

“O Brasil é um gigante no agronegócio, e está exportando seus conhecimentos e tecnologias para o mundo. Somos um grande exportador de insumos como adubos, genética e sementes para o continente africano”, afirma.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: