X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Economia

Queixas de clientes batem recorde na Black Friday

Foram em todo o País 12.141 reclamações só no site Reclame Aqui. Vendas caíram e a data acabou tendo o 2º pior resultado da história


Imagem ilustrativa da imagem Queixas de clientes batem recorde na Black Friday
Expectativas na Black Friday não foram correspondidas |  Foto: Tiago Melo/AT - 21-11-2022

O número de queixas de consumidores na Black Friday bateu recorde. Segundo o site Reclame Aqui, foram 12.141 reclamações entre meio-dia de quarta (22) e as 22 horas de sexta (24), data oficial do evento.

O volume histórico torna a edição atual a maior em número de reclamações desde que o evento começou a ser adotado no Brasil, em 2010. A plataforma, fundada em 2001, contabiliza os dados de reclamações registradas pelos consumidores no próprio site.

Leia mais sobre Economia

O crescimento nas queixas foi de 30% quando comparado ao mesmo período do ano passado, segundo o site. No ranking geral, a quantidade está atrás apenas de 2014, quando foram 12 mil.

No País, o maior registro de reclamações foi por propaganda enganosa, com 16,67%, segundo o Reclame Aqui. Atraso nas entregas fica em segundo lugar, com 16,14%, seguido de produto não recebido (14,21%), estorno do valor pago (9,99%) e problema na finalização da compra (4,95%).

Para a plataforma, os golpes virtuais influenciaram no volume de reclamações no período. “De 8 mil sites pesquisados e analisados, cerca de 4 mil eram páginas com alertas para o consumidor”, diz a pesquisa. Os Procons de Vitória, Vila Velha, Serra, Cariacica e Estadual informaram que não receberam reclamações.

Vendas

O resultado financeiro para o período também não foi positivo. O recuo nas vendas on-line foi de 15,1%, segundo a Confi.Neotrust.

Para o gerente-executivo da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL), Daniel Sakamoto, a frustração nas vendas se deve a uma quantidade menor de produtos com descontos, uma margem de lucro maior às empresas e os juros elevado, prejudicando o parcelamento.

“A gente percebeu também que, durante o mês de novembro, várias empresas fizeram promoções, o que acabou diluindo as vendas durante o mês”, afirma.

O representante ainda cita um resultado positivo em promoções de itens de vestuário e cosméticos, ficando com o impacto negativo os eletroeletrônicos, justamente os que representam a maior fatia das vendas durante o evento.

Sakamoto ainda cita uma migração grande dos consumidores para as lojas físicas, movimento contrário à tendência dos anos anteriores.

Expectativa de mais vendas no Natal

Embora o resultado tenha sido negativo durante a Black Friday, segundo os dados nacionais, a previsão é que o Natal supere a expectativa de vendas.

Para o vice-presidente da Federação do Comércio do Espírito Santo (Fecomércio-ES), José Carlos Bergamin, a previsão é que o comércio mantenha o resultado dentro do esperado, com crescimento entre 4% e 6%.

“O Natal não falha. Não há nada indicando que será frustrante. O ambiente de praia e turismo está animado”, comenta.

Um dos fatores que explicam o movimento, segundo o economista Ricardo Paixão, é o alto endividamento e a preferência do consumidor por prorrogar as compras, na esperança de descontos maiores.

“Isso faz com que as pessoas esperem o décimo terceiro cair e retarde as compra. Não vimos um movimento como nos anos anteriores, também não tendo aquele apelo de preços tão baixos que mudasse a expectativa do consumidor”.

Com esse cenário, a aposta é que os consumidores deixem as compras de final de ano para a última hora, mantendo o consumo concentrado durante o período do Natal, o que dá oportunidade para os varejistas prorrogarem as promoções.

Análise

Imagem ilustrativa da imagem Queixas de clientes batem recorde na Black Friday
Antônio Marcus Machado é economista e professor universitário |  Foto: Beto Morais

"Evento perde a credibilidade"

“O que temos observado na Black Friday é algo pouco coerente com o seu objetivo fundamental, que é ter preços promocionais. Deve ser um momento para oferta de preços reduzidos e ganho de receita no volume de vendas. Mas esses descontos nem sempre são reais ou os produtos ofertados muitas vezes têm qualidade inferior, originando assim reclamações e insatisfações.

Eventos dessa natureza perdem credibilidade, pois o que é divulgado não condiz com a realidade.

Há comerciantes que trabalham com transparência e geram confiança. Estes devem ser prestigiados e prestigiados pelos consumidores.”

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: