X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Quadrilha cria idosos falsos e recebe R$ 1 milhão em fraudes contra o INSS

| 26/02/2021 14:51 h | Atualizado em 26/02/2021, 15:01

Prédio do INSS: investigação  vem ocorrendo desde 2019. Segundo a Polícia Federal, esquema começou em 2013
Prédio do INSS: investigação vem ocorrendo desde 2019. Segundo a Polícia Federal, esquema começou em 2013 |  Foto: Thiago Coutinho — 15/03/2016

A Polícia Federal em São Mateus deflagrou uma operação para desarticular um esquema que pode ter provocado prejuízo acima de R$ 1 milhão aos cofres públicos, por meio de fraudes para recebimento indevido do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC).

Foram cumpridos quatro mandados de busca e apreensão em Montanha e Mucurici, no Estado, e Nanuque (MG), com a participação de 23 policiais. A Federal não informou se houve prisões.

O BPC é pago pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a idosos e portadores de deficiência que estejam em situação de vulnerabilidade, e atualmente corresponde ao valor de um salário mínimo (R$ 1.100).

Segundo a polícia, os fraudadores operavam “produzindo” documentos pessoais de idosos com mais de 65 anos, para que outros idosos, se passando pelos primeiros, fossem ao INSS e requeressem os benefícios assistenciais.

A investigação teve início em 2019 e, segundo a polícia, a fraude vem ocorrendo ao menos desde 2013, já tendo custado ao INSS mais de R$ 1 milhão.

Segundo a Polícia Federal, os envolvidos são investigados pelas práticas de vários crimes de estelionato majorado e lavagem de dinheiro, cujas penas totais ultrapassam os 15 anos de prisão.

Benefício

Atualmente, para ter direito ao BPC, é necessário que o rendimento bruto mensal por pessoa da família seja de até 25% do salário mínimo. No caso de pessoa portadora de deficiência, é preciso passar por perícia médica do INSS para ter acesso ao benefício e renová-lo periodicamente.

Segundo a advogada Renata Prado, presidente da Comissão de Direito Previdenciário da seccional capixaba da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-ES), a necessidade de uma série de dados socioeconômicos sugere um cruzamento de informações de várias fontes por parte dos criminosos neste tipo de fraude.

“Muitos têm o benefício negado. Mesmo nos casos em que há a perícia médica, às vezes acontece de o INSS negar, o beneficiário ter que recorrer à Justiça, e a perícia da Justiça ter outro resultado”.

Questionada sobre detalhes do esquema, a Polícia Federal não retornou até o fechamento da edição.

Dados vazados por agentes externos, diz Dataprev

O Dataprev, empresa de tecnologia da informação da Previdência que é responsável pela segurança e processamento dos dados do INSS, informou que dados vazados por agentes externos ao órgão podem estar por trás de fraudes como a identificada pela Polícia Federal no Estado.

“Investigações já mostraram que dados são vazados por agentes externos que fornecem a terceiros informações sobre aposentados e pensionistas”, afirmou, por nota, o Dataprev.

O órgão destacou que os dados dos segurados são sigilosos, protegidos por lei, e nenhum servidor tem autorização para repassá-los, podendo ser aplicadas penalidades em casos de processos administrativos internos instaurados pela Corregedoria.

“Além disso, o INSS, em parceria com a Dataprev, tem monitoramento constante dos sistemas, para que seja assegurado o sigilo das informações dos segurados da autarquia, completou o Dataprev.

O órgão ressaltou que denúncias sobre suspeitas de fraude envolvendo benefícios previdenciários devem ser feitas através da Ouvidoria do Ministério da Economia.

O Dataprev é uma das empresas estatais que estão na mira da privatização por parte do ministro da Economia, Paulo Guedes.

Além do Dataprev, a intenção é vender outras duas empresas públicas da União ligadas ao processamento de dados.

O Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) é responsável pelos dados de órgãos como os da Receita Federal.

Já o Centro Nacional de Tecnologia Eletrônica Avançada (Ceitec) trabalha com sistemas de identificação automática.


SAIBA MAIS Ação em Montanha e Mucurici


Idosos fictícios

  • A Polícia Federal instaurou a operação Hydra, para investigar fraudes que usavam idosos “fictícios” para ter acesso ao Benefício de Prestação Continuada (BPC), pago pelo INSS no Espírito santo.
  • A operação foi deflagrada pela PF em São Mateus e cumpriu quatro mandados de busca e apreensão nas cidades de Montanha e Mucurici, no Estado, e Nanuque (MG).
  • O nome da operação se refere à Hydra de Lena, monstro da mitologia grega que possuía várias cabeças, assim, como faziam os investigados, “criando” vários falsos idosos.
  • A suspeita é de que o esquema funcionava desde 2013, e já tenha causado prejuízo de mais de R$ 1 milhão aos cofres públicos.

Crimes

  • Os envolvidos são investigados pelas práticas de vários crimes de estelionato majorado (art. 171, § 3º, do Código Penal) e lavagem de dinheiro (art. 1º da Lei nº 9.613/1998), cujas penas totais ultrapassam os 15 anos de reclusão.

BPC

  • Têm direito ao BPC idosos ou pessoas portadoras de deficiência que estejam em situação de vulnerabilidade (renda familiar até 1/4 do salário mínimo).
  • Os beneficiários precisam estar inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico).

Fonte: Polícia Federal.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS