X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Economia

Onda de calor leva consumo de energia a novo recorde, diz ONS

Onda de calor que começou no final da semana levou a cidade do Rio de Janeiro a registrar dois recordes consecutivos na medição da sensação térmica



Imagem ilustrativa da imagem Onda de calor leva consumo de energia a novo recorde, diz ONS
Onda de calor provocou recorde de demanda por eletricidade |  Foto: Canva

A onda de calor pelo país levou o consumo brasileiro de energia a bater recorde na sexta-feira (15), informou o ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico). No mesmo dia, também houve recorde na demanda instantânea por eletricidade.

Segundo o operador, o consumo de energia do país chegou a 91.339 MW (megawatts) médios, superando os 90.596 MW médios registrados em 17 de novembro de 2023, também em meio a uma onda de calor pelo país.

Já a demanda instantânea bateu 102.478 MW às 14h37 de sexta. O recorde anterior era de 101.860 MW, verificado no dia 7 de fevereiro de 2024, disse o operador.

"O comportamento da carga [de energia] foi influenciado por questões climáticas, principalmente pelas elevadas temperaturas em quase todo o país, que teve o registro de mais uma onda de calor", afirmou o ONS, em nota distribuída neste domingo (17).

A onda de calor que começou no final da semana levou a cidade do Rio de Janeiro a registrar dois recordes consecutivos na medição da sensação térmica, ambos no bairro de Guaratiba, na zona oeste. No sábado (16), o indicador chegou a 60,1°C. Neste domingo, foi a 62,3°C.

Segundo o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), além do Rio de Janeiro, estados como Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo também são afetados pela onda de calor.

Com 34,7°C, a cidade de São Paulo teve no sábado o dia mais quente do ano e a maior temperatura para o mês de março em ao menos 81 anos, desde que o Inmet passou a fazer a estatística, em 1943.

A temperatura foi alcançada às 15h no mirante de Santana, na zona oeste, responsável pela medição oficial na capital paulista, mas só foi aferida manualmente à noite pelo instituto.

A previsão de temperaturas elevadas para os próximos dias levou o ONS a prever alta de 5,7% no consumo de energia do país para a próxima semana, na comparação com o mesmo período de 2023. O maior crescimento é estimado para o Nordeste, com 8,8%, seguido pelo Norte (8,5%).

As projeções de crescimento para o Sudeste/Centro-Oeste e para o Sul são de 5,8% e 1,5%, respectivamente.

A onda de calor elevou a procura por aparelhos de ar-condicionado esta semana, quando o comércio promoveu o dia do consumidor, na última sexta-feira.

A data ganhou o apelido de "Black Friday do primeiro semestre" e, tal como acontece com a "irmã" do mês de novembro, consumidores se agitam para fisgar os melhores preços -e de olho em produtos para aliviar o desconforto provocado pelas elevadas temperaturas.

De acordo com levantamento do Buscapé, aparelhos de ar-condicionado saltaram da quarta para a segunda posição entre as categorias mais visadas pelos brasileiros entre 2023 e 2024. Ventiladores e circuladores, na mesma base de comparação, foram da 14ª para a 8ª posição.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: