X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Economia

Juros não caem e dinheiro no banco segue vantajoso

Por unanimidade, o Banco Central manteve em 10,5% ao ano a taxa Selic, contrariando Lula e decidindo em linha com mercado financeiro


Imagem ilustrativa da imagem Juros não caem e dinheiro no banco segue vantajoso
Selic deve ficar em 10,5% por um longo período |  Foto: © Divulgação/Canva

Desta vez foi por unanimidade. O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) decidiu manter a taxa básica de juros (Selic) em 10,50% ao ano, após sete cortes consecutivos iniciados em agosto do ano passado, quando a taxa estava em 13,75%.

É o fim do ciclo de queda, a contragosto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que havia dito na terça-feira (18) que “não tem explicação a taxa de juros do jeito que está”, mas em linha com a expectativa do mercado financeiro.

A decisão mantém os juros em um patamar acima de 10%, fazendo com que investimentos em renda fixa, ou seja, dinheiro parado no banco, sigam vantajosos.

A decisão foi tomada de forma unânime pelos nove integrantes do Copom, em contraste com a divisão (5 a 4) da reunião anterior, que terminou com redução de 0,25 ponto percentual na Selic.

Havia expectativa sobre o voto do diretor de Política Monetária, Gabriel Galípolo, considerado o favorito para ser indicado por Lula para substituir o atual presidente do BC, Roberto Campos Neto, a partir de 2025 à frente do BC.

Mesmo com críticas de Lula ao atual líder do BC e ao que considera alto patamar dos juros na véspera do Copom, Galípolo votou pela manutenção da taxa básica.

O voto de Galípolo era um dos principais focos de analistas de mercado, que busca nas posições dele sinais de como deve atuar o BC a partir do ano que vem.

Ele tem a difícil missão de se equilibrar entre o que quer Lula e o que o mercado espera dele.

Alex Agostini, economista-chefe da Austin Rating, afirmou que o mais importante da reunião do Copom é que teve unanimidade entre os membros do colegiado:

“Essa é uma dúvida que a gente tinha no mercado, ainda mais depois da entrevista do presidente Lula, pressionando o Banco Central, e houve um alinhamento, porque todos os diretores viram que é um momento bastante delicado.”

O comunicado sinalizou que a taxa básica de juros, a Selic, deve permanecer em 10,5% ao ano por um longo período. No texto divulgado pelo BC, o colegiado introduziu um cenário alternativo para a inflação que considera a Selic estável até o fim de 2025. Nesse caso, a projeção de inflação do BC para o ano que vem fica em 3,1%, próximo do centro da meta de 3,0%.

Saiba mais

Opções rendem até 9,57% ao ano

- Quanto rendem R$ 1.000 com a Selic a 10,50%

Veja o rendimento em diferentes aplicações no período de um ano.

Poupança: R$ 74,6 (7,46%)

Tesouro Selic: R$ 83,2 (8,32%)

CDB: Entre R$ 62,4 e R$ 95,7, dependendo do banco (de 6,24% a 9,57%)

Quanto o investidor poderá sacar em um ano com a Selic

Poupança: R$ 1.074,60

Tesouro Selic: R$ 1.083,20

CDB: Entre R$ 1.062,40 e R$ 1.095,70

O cálculo foi feito com auxílio do Yubb considerando uma taxa Selic fixa em 10,50%. E considera taxa de 20% de Imposto de Renda nos investimentos tributados (Tesouro Selic e CDBs). A taxa é paga nos resgates feitos entre 181 e 360 dias. Se o resgate for feito após um ano, o imposto é de 17,5%. Se for feito até seis meses, é de 22,5%. A poupança é isenta de IR.

- Inflação

É importante que o investidor fique atento ao comportamento da inflação. Ela impacta no ganho real de suas aplicações. A expectativa de inflação para 2024 é de 3,96%.

Rendimento descontando a inflação e o Imposto de Renda:

Poupança: R$ 33,70 (3,37%)

Tesouro Selic: R$ 41,90 (4,19%)

CDB: Entre R$ 21,90 e R$ 53,90 (de 2,19% a 5,39%)

Fonte: Uol.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: