X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Economia

Filhos mais dependentes: blindagem dos pais atrapalha a carreira, diz especialista

Especialistas também destacam que o comportamento da Geração Z também é resultado da forma como eles foram criados pelas gerações X e Millennials


Imagem ilustrativa da imagem Filhos mais dependentes: blindagem dos pais atrapalha a carreira, diz especialista
Gisélia alertou que as dificuldades são o que moldam um perfil resiliente |  Foto: Divulgação

A superproteção dos pais é vista com preocupação por psicólogos e especialistas da área de recursos humanos.

A coordenadora do curso de Psicologia da FAESA, Caroline Bezerra, aponta que muitos pais da geração dos Millennials e da Geração X são altamente envolvidos na vida dos filhos, os “blindando” de perigos e não lhes dando espaço para que desenvolvam autonomia.

“A Geração Z cresceu em um ambiente altamente conectado e com muita supervisão, e por isso acaba apresentando níveis mais altas de dependência em relação aos pais. Isso se deve, em parte, à estrutura familiar e aos métodos de educação que enfatizam o apoio constante”.

Psicóloga e diretora de Liderança, Cultura e Diversidade do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (Ibef-ES), Gisélia Freitas, relata que interferências dos pais na vida dos filhos, como querer participar de uma entrevista de emprego, podem infantilizar a imagem do jovem no mercado de trabalho e deixá-lo ainda mais nervoso nesse processo.

Ela acrescenta que criar filhos muito dependentes atrasa o processo de amadurecimento e capacidade de resolver problemas deles, algo comum dentro da rotina de trabalho.

“Os pais tentam blindar os filhos, mas esquecem que a frustração e as dificuldades da vida são o que moldam um perfil resiliente que é necessário para o mercado de trabalho que está cada vez mais competitivo e exigente. Essa blindagem dos pais atrapalha os mais jovens”.

Eliana Machado, diretora da Center RH, explica que os pais precisam entender que devem apoiar e orientar, mas que não podem tomar os espaços dos seus filhos.

Segundo ela, a “invasão” dos pais na vida profissional dos filhos não se limita ao processo seletivo, sendo comum que os pais queiram rever o contrato de trabalho e até mesmo assinar o contrato no lugar dos filhos.

“Eles querem tirar a autonomia dos filhos. Diante da primeira dificuldade relatada, querem ligar para a empresa e resolver a situação eles mesmos. E, geralmente, sempre acham que o filho está certo. Isso faz com que o jovem seja visto como mimado no ambiente de trabalho”.

Tempo de estabilidade inacessível

Especialistas alertam que o comportamento “ultraprotetor” dos pais com os filhos que estão entrando no mercado de trabalho pode acabar se tornando uma “muleta” para o comportamento dos jovens.

“É uma geração que tem métodos e prioridades diferentes das gerações anteriores. Mas que, de toda forma, também precisa entender que precisa assumir seus papéis e que não poderão usar os pais como muleta em suas ações”, aponta o advogado especialista em Direito Trabalhista Sandro Rizzatto.

Segundo ele, essa relação dos jovens com os pais faz a Geração Z ser muitas vezes vista como “fraca, desmotivada ou mimada”, mas, para ele, trata-se de uma visão simplista e até injusta com eles, já que ignora as complexas realidades econômicas e sociais que moldam o comportamento dessa geração.

“A estabilidade que as gerações mais antigas viveram é, muitas vezes, inacessível para a Geração Z, porque a oferta de vagas com boas remunerações diminuiu e a concorrência aumentou, não só no Brasil como no mundo”.

Especialistas também destacam que o comportamento da Geração Z também é resultado da forma como eles foram criados pelas gerações X e Millennials, que os antecederam e tendem a ser “superprotetores e superpresentes”, numa tentativa de serem diferentes de seus próprios pais, que eram mais distantes.

Para o advogado Guilherme Machado, esse “excesso de disponibilidade” dos pais dos jovens da Geração Z acaba por dar-lhes uma imagem negativa no mercado de trabalho.

“Eles acabam ficando mais inseguros e isso fica nítido para empresas. É uma geração que vai precisar aprender a estabelecer maior contato visual, maior resiliência... Enfim, se preparar melhor para a realidade do mercado”

Ajuda para ter um trabalho

A Geração Z tem buscado os pais para obter todas as vantagens possíveis na busca por um emprego. Uma pesquisa recente com candidatos a emprego feita pela McKinsey mostra que 70% dos membros da Geração Z pedem que os pais os ajudem a conseguir um trabalho.

Daqueles que encontram, 83% atribuem os resultados positivos à orientação parental.

Segundo o estudo, um em cada 10 candidatos a emprego da Geração Z teve ajuda dos pais para completar a triagem do RH, uma etapa inicial do processo seletivo, enquanto 1 em cada 8 fez com que seus pais escrevessem seu currículo do zero.

As mães são mais prestativas e solidárias, já que 76% dos membros da Geração Z relatam receber mais ajuda delas (contra 45% que recebem ajuda dos pais).

Das pessoas que tiveram entrevistas virtuais, 71% disseram que um dos pais estava presente, mas fora das câmeras, para apoiá-los. As mães são mais prestativas e solidárias, já que 76% dos membros da Geração Z relatam receber mais ajuda delas (contra 45% que recebem ajuda dos pais).

Quase 30% afirmaram que os pais estavam diante das câmeras e, se eles aparecessem, a probabilidade de falarem com o entrevistador era de 85%.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: