X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

VÍDEO| Mulher se pendura em janela para limpar vidros a mais de 30 metros de altura

| 12/06/2020 16:37 h | Atualizado em 12/06/2020, 16:49

Uma cena chamou atenção de um morador da Praia da Costa, em Vila Velha. No vídeo gravado pelo homem, na semana passada, a faxineira aparece quase pendurada para fora da janela de um andar a mais de 30 metros de altura, em um prédio do bairro, para realizar a limpeza do vidro.

De acordo com Rogério da Silva Cardoso, essa não foi a primeira vez que viu a cena por ali, mas dessa vez resolveu registrar o caso.

À reportagem de A Tribuna, o síndico do prédio, que preferiu não se identificar, afirmou ter ficado surpreso quando viu o vídeo. Segundo ele, o morador já foi identificado e orientado pela administração do edifício a não permitir que essas atividades sejam realizadas sem equipamentos de segurança. 

Assista:

Corpo de Bombeiros alertam para perigo de procedimento

Em entrevista ao Tribuna Online, o tenente-coronel do Corpo de Bombeiros Wagner Borges afirmou que esse procedimento não é autorizado, inclusive, pelo Ministério do Trabalho. 

"Para trabalho na parte externa dos vidros de varandas, em apartamentos, é necessária a contratação de empresas especializadas. Elas fazem todo um ancoramento, com corda, cadeirinha, para que o procedimento seja feito em segurança", alertou o tenente.

Ainda segundo o bombeiro, o proprietário do imóvel pode chegar a ser responsabilizado por este ato, além de colocar a própria vida ou a de terceiros em risco. 

No início desta semana, o repórter fotográfico de A Tribuna Fábio Nunes flagrou uma outra cena chamou a atenção de quem passava pelo local. Uma mulher subiu em uma escada para limpar os vidros de uma varanda em um prédio na Praia do Canto, em Vitória. 

Imagem ilustrativa da imagem VÍDEO| Mulher se pendura em janela para limpar vidros a mais de 30 metros de altura

O tenente-coronel destacou que a rede de proteção não foi feita para que alguém se projete sobre ela, mas sim para trazer proteção, principalmente, para crianças, animais e vasos de plantas. 

"Se um vaso de planta, é empurrado, sem que haja uma tela de proteção, ele pode cair por sobre alguma pessoa e essa situação se tornar fatal. Apesar de a rede de proteção ter todos os procedimentos de segurança, ela serve apenas como um obstáculo à queda de alguém".

Ele ainda alerta para a necessidade de manutenção anual do equipamento, principalmente porque a grande parte dos prédios, no Estado, fica próxima ao mar, fazendo com que a maresia prejudique a estabilidade dos ganchos de proteção e do próprio plástico que compõe a rede.

"Se um dos gomos da tela se romper, por exemplo, ela vai precisar de substituição, porque pode acontecer de uma criança colocar a cabeça para fora e, por onde ela consegue passar a cabeça, ela passa todo o restante do corpo. Por isso é muito importante ter todos os cuidados necessários para que um acidente não ocorra", afirmou.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS