X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Moradores de rua ocupam o Sambão do Povo

| 23/03/2021 17:05 h | Atualizado em 23/03/2021, 17:27

Pertences de moradores de rua deixados no Sambão do Povo: aumentou o número dessa população na região
Pertences de moradores de rua deixados no Sambão do Povo: aumentou o número dessa população na região |  Foto: Kadidja Fernandes/ AT

O Sambão do Povo, espaço onde acontecem os tradicionais desfiles das escolas de samba do Carnaval, em Vitória, está ocupado por moradores em situação de rua.

A reportagem de A Tribuna esteve na segunda-feira (22) pela manhã no local e flagrou várias pessoas dormindo em barracas e colchões embaixo das marquises das arquibancadas. Os moradores levaram móveis para o Sambão, como bancos, cama e cômoda.

Alguns armaram barraca para se proteger do sol e da chuva.

Chama a atenção o fato de que próximo à região do Sambão do Povo existe um espaço de acolhida, o Centro de Referência Especializado de Assistência Social para População de Rua (Centro-Pop). O local fica no bairro Mário Cypreste, na capital.

No momento em que a pandemia de Covid-19 registra um grande aumento no número de casos, pessoas em situação de rua acabam ficando muito expostas ao vírus.

O filósofo e mestre em Segurança Pública Josimar Grippa explica que é necessário entender o que fez com essas pessoas fossem morar nas ruas para dar o encaminhamento adequado.

“É preciso saber porque essas pessoas estão na rua, quais são seus conhecimentos, habilidades e necessidades para que sejam encaminhadas ao espaço que desejam. Se a abordagem não for efetiva, a tendência é que tenhamos cada vez mais pessoas nessa situação”.

O presidente da Associação de moradores de Mário Cypreste, Cláudio Barcellos, disse que o número de moradores de rua vem aumentando na região e que sente falta de uma abordagem mais efetiva da prefeitura.

“Depois da obra do Portal do Príncipe, muitas pessoas que ficavam embaixo da ponte vieram para o Sambão. A abordagem passa todo dia, mas nada muda. É preciso levar essas pessoas para abrigos ou saber se querem voltar para suas cidades de origem. Ali estão muito expostas”, afirmou Cláudio Barcellos.

Atendimento

A secretaria Municipal de Assistência Social de Vitória (Semas) informou, em nota, que as pessoas no Sambão do Povo são migrantes que buscam oportunidades na capital e que a abordagem é feita em conjunto com as equipes do Consultório de Rua.
Disse ainda que há 320 pessoas em situação rua na capital e o atendimento a elas é diário.

Imagem ilustrativa da imagem Moradores de rua ocupam o Sambão do Povo

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS