X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Cidades

Aluna de Vila Velha é reprovada por faltas e pede indenização na Justiça

Estudante reprovou após contabilizar 298 faltas durante o ano letivo


 

Imagem ilustrativa da imagem Aluna de Vila Velha é reprovada por faltas e pede indenização na Justiça
Sala de aula: aluna foi reprovada por faltas |  Foto: Freepik

Uma aluna do ensino fundamental representada por sua mãe entrou com ação de indenização por danos morais contra a diretora da escola em que está matriculada, em Vila Velha, após ser reprovada por faltas, mas teve o pedido negado pela Justiça. 

Segundo os autos, a estudante e a mãe alegam que a menina apresenta muitas faltas por motivos de saúde. Assim, não teria atingido o mínimo de frequência exigida e que, por isso, foi impedida de realizar prova de recuperação.

Leia mais notícias de Cidades aqui

Em contestação, a escola informou a legalidade da reprovação, alegando que a estudante falta às aulas regularmente e sem apresentar justificativas, tendo sua mãe conhecimento da sua situação de 298 faltas contabilizadas em 2019, assim como, alega também que a aluna já havia sido reprovada anteriormente em outro colégio, pelo mesmo motivo.

Sendo assim, o juiz ressaltou que, segundo a Lei 9.394/96, que disciplina a educação escolar, é vedada carga mínima de horário inferior a 800 horas, sendo mantido o mínimo de 200 dias letivos. 

Destacou, ainda, o fato de a escola ter indicado que a aluna está em estado crítico em relação aos seus testes para recuperação de nota, mantendo baixo rendimento escolar.

Por essas razões, o magistrado julgou improcedentes os pedidos autorais, por entender que a autora não cumpriu com os requisitos para seu direito à aprovação, motivo pelo qual a conduta da instituição não se mostra equivocada, tendo, também, notificado o conselho tutelar a respeito da situação.

Leia mais 

Prefeitura de Vitória realiza obras de revitalização do calçadão de Camburi

Até pizza de bobó em final de semana de delícias em Iriri

Cuidador de idosos vira profissão em alta no Estado

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: