X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

PF abre inquérito para investigar se sabotagem causou apagão

Investigação será sigilosa e deverá ouvir diferentes atores ligados ao incidente, como representantes da Eletrobras e do ONS


Imagem ilustrativa da imagem PF abre inquérito para investigar se sabotagem causou apagão
O apagão interrompeu o fornecimento de 18,9 mil MW de carga --o necessário para afetar cidades de 25 estados e o Distrito Federal |  Foto: Reprodução/Canva

A Polícia Federal instaurou nesta terça-feira (22) um inquérito para investigar as causas do apagão que atingiu todas as regiões do país na última terça (15).

A investigação, sigilosa, vai apurar possíveis crimes de sabotagem e atentado contra a segurança de serviço de utilidade pública.

A PF deverá ouvir diferentes atores ligados ao incidente, como representantes da Eletrobras e do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico).

O apagão interrompeu o fornecimento de 18,9 mil MW de carga --o necessário para afetar cidades de 25 estados e o Distrito Federal. A exceção foi Roraima, que não está no SIN (Sistema de Integração Nacional).

Com a falta de energia, aulas foram suspensas por todo o país, semáforos ficaram desligados e hospitais e outras instituições de saúde suspenderam consultas, exames e outros procedimentos.

Na última quinta-feira (17), o ONS informou que o relatório final sobre o apagão só ficaria pronto em 45 dias. O operador diz que o sistema está sendo operado "em condições mais conservadoras" após o apagão, para garantir a segurança do atendimento, seguindo protocolo previsto após ocorrências deste tipo, até que sejam verificadas as causas.

O que se sabe até agora é que o chamado evento zero, que deu início ao apagão, ocorreu numa linha de transmissão entre o município de Quixadá e a capital Fortaleza.

A frequência da linha caiu e o sistema de proteção falhou, disseminando a falha. Um incidente do gênero, em um ponto como este, porém, não deveria deflagrar um apagão com escala nacional, segundo especialistas.

Explicações incompletas e a demora na divulgação do relatório abriram espaço para uma guerra de narrativas entre consultores, políticos e segmentos do setor energético.

Uma ala de especialistas afirma que ainda será descoberto que houve falha em alguma subestação, como Imperatriz (MA) ou Xingu (PA). Outro segmento, mais ligado a hidro, já cogitam que o próprio ONS pode ser parte do problema por privilegiar o fornecimento de energias renováveis.

Candidato a presidir a Petrobras no governo Jair Bolsonaro (PL), o consultor Adriano Pires escreveu em uma rede social que a lição do apagão é que "não devemos abrir mão de térmicas": "Nesse momento de transição energética é uma estupidez ficar refém da natureza com a geração eólica e solar", escreveu.

O governo federal passou a usar o apagão como munição contra a privatização da Eletrobras. No mesmo dia da falta de luz que atingiu a maior parte do país, a primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, foi às redes sociais para ligar a desestatização da empresa à queda de energia.

"A Eletrobras foi privatizada em 2022. Era só esse o tuíte", escreveu a primeira-dama, em letras com caixa alta.

Assim como Janja, o líder do governo no Congresso, senador Randolfe Rodrigues (sem partido-AP), também culpou a venda do controle da empresa.

"A conta da privatização irresponsável da Eletrobras chegou: apagão em 25 estados e no DF. Em 2020, vivemos as consequências criminosas da privatização no setor elétrico no Amapá -foram 22 dias de apagão, que afetou comércio, serviços, hospitais e escolas, gerando prejuízos incalculáveis a toda a população", escreveu o senador.

O discurso também foi seguido pelo ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira.

O apagão da semana passada durou cerca de seis horas, período superior a eventos semelhantes ocorridos em governos passados, como o da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: