X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Naja desaparece dentro do Butantan, em São Paulo, e instituto faz buscas

Espécie é originária da Ásia e é venenosa


Imagem ilustrativa da imagem Naja desaparece dentro do Butantan, em São Paulo, e instituto faz buscas
Filhote da serpente Naja desapareceu |  Foto: Reprodução/SBT News

Um filhote de serpente Naja desapareceu do Instituto Butantan, em São Paulo, há três semanas. O animal estava no Laboratório de Herpetologia.

O réptil tem o nome de Naja kaouthia ou Naja de monóculo. A espécie é originária da Ásia e é venenosa.

O laboratório, de acordo com o instituto, fica distante do Parque da Ciência e de seus museus, que são acessados por visitantes.

"Não houve fuga do filhote de cobra na área de visitação pública. O laboratório é frequentado apenas por profissionais e pesquisadores", destacou o Butantan.

O instituto afirmou que tem um plano de contingência para esses casos, que foi acionado e está atuando, inclusive com uma apuração interna em andamento.

O local tem câmeras, que foram checadas, mas não houve sinal dela fora do laboratório.

Há a hipótese de que a Naja tenha entrado no ralo interno do laboratório e morrido nos encanamentos. Foram colocadas armadilhas no entorno, sem sucesso.

O Butantan ressaltou que possui soro contra o veneno da serpente.

Segundo o site do instituto, a Naja de monóculo é encontrada no sul da Ásia, em países como China, Índia, Tailândia e Vietnã, e vive em florestas tropicais ou áreas semidesérticas. Ela é mais conhecida na cultura popular por ser usada pelos encantadores de serpentes.

Essa Naja é uma serpente peçonhenta da família Elapidae, a mesma das corais-verdadeiras, e tem dentes inoculadores de veneno na parte anterior da boca. Ela se alimenta de pequenos roedores, anfíbios, aves, lagartos, peixes e até outras cobras. Seu veneno atinge o sistema nervoso e paralisa alguns músculos.

A Naja de monóculo ganhou esse apelido por conta do desenho que carrega na parte de trás da cabeça, parecido com uma lente de óculos. Elas também são conhecidas por formar uma espécie de capa ao lado da cabeça quando prestes a atacar, chamada oficialmente de capelo. Segundo o Butantan, é um mecanismo de defesa usado pelo animal para parecer maior.

O INSTITUTO

O Instituto Butantan é o maior produtor de vacinas e soros da América Latina e o principal produtor de imunobiológicos do Brasil. É responsável pela maioria dos soros hiperimunes utilizados no Brasil contra venenos de animais peçonhentos, toxinas bacterianas e o vírus da raiva.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: