X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Ministro do STJ: uso da maconha tem 'lado terapêutico, assim como beber vinho'

Rogerio Schietti Cruz defendeu a descriminalização da maconha para uso pessoal


O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Rogerio Schietti Cruz defendeu a descriminalização da maconha para uso pessoal. Um dia após a retomada do julgamento que discute o porte de drogas, no Supremo Tribunal Federal (STF), que acabou sendo adiado novamente a pedido do ministro Dias Toffoli, o ministro argumenta que há diferença entre tráfico e uso próprio da droga, já que "o crime de tráfico pressupõe uma vontade de lucrar. No recreativo, buscam-se fins psicoativos".

As declarações do ministro foram dadas à revista digital Breeza, lançada nesta quinta-feira, 7. Atualmente, o placar do julgamento no STF é de cinco votos a favor e três contra. Para Cruz, "quando o Supremo decidir que é inconstitucional punir alguém por usar drogas, haveria uma sensibilização maior por todo o Judiciário".

Para ele, "o Supremo está caminhando" e, em relação à maconha, a tendência de considerar inconstitucional o uso pessoal ser categorizado como crime, "não irá retroceder". O magistrado acredita que o componente moral dificulta o debate e a compreensão acerca das diferenças entre uso recreativo, medicinal e o tráfico. De acordo com ele, "quando se usa a maconha recreativa, existe um lado terapêutico", assim como quando "se bebe um vinho ou se fuma um charuto, se fuma um cigarro de maconha para ter prazer".

Em relação à disputa entre as classes políticas que debatem o tema, o ministro afirma que as pautas "costumam ser morais ou religiosas". Para ele, "o que resolveria a questão seria mudar para uma pauta científica". Neste sentido, Cruz alega que é uma questão de saúde pública, justificando a decisão, tomada em 2023, de autorizar o cultivo de maconha para a produção do óleo de canabidiol para fins medicinais a dois enfermos.

O ministro se diz favorável ao uso medicinal da maconha, uma "planta muito potente e que cura diversas doenças", sob o argumento de que a Constituição garante o direito à saúde e que "o Estado deve fornecer meios e recursos para promover isso". Para o magistrado, submeter as pessoas ao risco de serem incriminadas pelo uso medicinal da droga "é no mínimo uma desumanidade".

Reforçando a justificativa do voto do ministro do STF Alexandre de Moraes, Cruz afirma que a questão racial é inerente ao tema. "Se um rapaz negro é preso com dez gramas de maconha, é mais provável que seja enquadrado como traficante. Se é branco, ainda mais se for morador de um bairro rico, a polícia costuma deixar pra lá", disse o ministro.

Em relação ao sistema prisional, o magistrado aponta que se um usuário é preso por anos, "deixará crianças vulneráveis". Para ele, ao portar pequena quantidade da droga, a pessoa que "trabalha, sustenta uma família" não pode ser considerada uma pessoa perigosa como um traficante.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: