X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Médica negra denuncia racismo após paciente branco exigir CRM em consulta

Neurologista, de 38 anos de carreira, se negou a continuar o atendimento


Imagem ilustrativa da imagem Médica negra denuncia racismo após paciente branco exigir CRM em consulta
Valéria Cecília Carneiro de Almeida tem 64 anos |  Foto: Reprodução/LinkedIn

Uma médica negra de Aracaju (SE) denunciou ter sido vítima de racismo após um paciente branco exigir que ela mostrasse seu registro profissional antes de ser atendido, no último domingo (16).

Valéria Cecília Carneiro de Almeida, de 64 anos, contou que o paciente queria 'confirmar se ela realmente era médica'. A neurologista estava fazendo o atendimento virtual em uma plataforma de telemedicina.

O paciente, do Mato Grosso do Sul, ao entrar na sala de consulta achou que algo estava errado com seu atendimento. Ele teria entrado na sala, saído e retornado após alguns minutos, dizendo que tinha marcado uma consulta com um neurologista.

Valéria informou ao paciente que ela era a médica que o atenderia. O homem teria insistido para que ela mostrasse seu registro profissional e disse que era 'para saber com quem estava falando'.

A neurologista, de 38 anos de carreira, se negou a continuar o atendimento. ''Você entra em um site médico e quer um certificado de doutora?'', questiona a Valéria em um momento da gravação. ''Isso é uma falta de respeito com o profissional que está atendendo, não estou aqui de brincadeira.''

Um Boletim de Ocorrência foi registrado por Valéria na Polícia Civil de Sergipe. A reportagem também tenta contato com o CRM (Conselho Regional Médico) de Sergipe. A matéria será atualizada quando houver retorno.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: