X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Justiça mantém preso acusado de atirar garrafa que atingiu torcedora

Professor deve seguir para São Paulo onde aguardará julgamento


Imagem ilustrativa da imagem Justiça mantém preso acusado de atirar garrafa que atingiu torcedora
A jovem, atingida no pescoço por estilhaços da garrafa, foi socorrida em estado grave, não resistiu ao ferimento e morreu dois dias depois |  Foto: Reprodução/Redes Sociais

A Justiça do Rio de Janeiro manteve a prisão temporária decretada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo contra o professor Jonathan Messias Santos da Silva, de 33 anos. Silva foi preso nesta terça-feira (25), em casa, no bairro de Campo Grande, zona oeste do Rio, acusado de ter atirado a garrafa de cerveja cujos estilhaços atingiram a torcedora do Palmeiras Gabriela Anelli, de 23 anos, no último dia 8.

O caso aconteceu durante uma confusão registrada antes de uma partida de futebol entre Palmeiras e Flamengo envolvendo torcedores dos dois times. A jovem, atingida no pescoço por estilhaços da garrafa, foi socorrida em estado grave, não resistiu ao ferimento e morreu dois dias depois.

Leia também:

Polícia prende novo suspeito de matar torcedora do Palmeiras

Tecnologia ajudou polícia a encontrar suspeito de matar torcedora do Palmeiras


A prisão teve a participação de agentes da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de São Paulo com o apoio de policiais do Rio. Jonathan é diretor adjunto da Escola Municipal Almirante Saldanha da Gama, perto de onde mora, e nunca teve envolvimento com a polícia.

Na audiência de custódia, o juiz Rafael de Almeida Resende manteve a prisão temporária do professor. “Atentaria contra lógica do razoável o fato de o juiz natural, reconhecendo o perigo da liberdade do sujeito da medida, decretar sua prisão temporária ou preventiva, e o juiz da Central de Audiência de Custódia revogar a decisão. Não se afigura razoável que uma autoridade judiciária que desconhece por completo o procedimento venha a modificar a decisão do juiz que o conhece”, diz o juiz na decisão.

Em nota, a Secretaria Municipal de Educação do Rio diz que “repudia o crime e informa que o acusado está preso e afastado de suas funções”.

O professor Jonathan Messias deverá seguir nas próximas horas para a capital paulista, onde ficará à disposição da Justiça, aguardando julgamento.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: