X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Casamento precoce afeta mais meninas do que meninos no Brasil

Quase 17 mil casamentos civis envolveram cônjuges de até 17 anos do sexo feminino em 2021


Casamentos precoces afetam mais a vida das meninas do que a dos meninos no Brasil. É o que apontam dados divulgados nesta sexta-feira (08) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Conforme o órgão, quase 17 mil casamentos civis envolveram cônjuges de até 17 anos do sexo feminino em 2021. O número corresponde a 1,8% do total de matrimônios registrados à época (932,5 mil).

No mesmo ano, o IBGE contabilizou 1.915 casamentos com a participação de cônjuges de até 17 anos do sexo masculino, o equivalente a 0,2% do total.

Os dados integram a terceira edição de uma síntese de indicadores sociais das mulheres, que reúne estatísticas de diferentes pesquisas.

No caso dos números de casamentos, a fonte é a publicação Estatísticas do Registro Civil, um dos trabalhos desenvolvidos pelo IBGE. A divulgação da síntese coincide nesta sexta com a celebração do Dia Internacional da Mulher.

No informativo da publicação, o instituto aponta que, segundo a legislação brasileira, o casamento civil só é permitido para pessoas a partir de 18 anos de idade e, excepcionalmente, de 16 e 17 anos, caso estas sejam emancipadas ou possuam autorização dos pais ou representantes legais.

A incidência desse fenômeno, segundo o IBGE, vem caindo ao longo da série histórica. Em 2019, uma lei impediu o casamento de menores de 16 anos no país. Antes disso, era permitida a união em casos de gravidez adolescente, ou de acordo com autorização dos pais ou autoridade judicial.

Em 2011, ano inicial dos registros do IBGE, o país teve 48,6 mil casamentos que envolveram garotas de até 17 anos. A comparação com 2021 (17 mil) indica uma redução de 65,1%. Entre os meninos, a baixa foi de 47,1%.

O IBGE também diz que existem "grandes diferenças regionais" na ocorrência dos casamentos precoces. Em 2021, Rondônia teve o maior percentual de matrimônios com a presença de cônjuges do sexo feminino de até 17 anos: 6,1% do total.

O Maranhão veio na sequência, com 3,5%. As menores proporções foram verificadas no Rio de Janeiro (0,6%) e no Distrito Federal (0,8%).

Especialistas apontam que casamentos precoces podem estar associados a questões como evasão escolar e violência de gênero, afetando o desenvolvimento de adolescentes.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: