X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Fatia de mulheres abaixo da linha de pobreza no Brasil supera a de homens

Dados foram divulgados pelos IGBE, nesta sexta-feira



Imagem ilustrativa da imagem Fatia de mulheres abaixo da linha de pobreza no Brasil supera a de homens
Fatia de mulheres abaixo da linha de pobreza no Brasil supera a de homens |  Foto: Canva

Uma parcela de 32,3% das mulheres vivia abaixo da linha de pobreza em 2022 no Brasil, apontam dados divulgados nesta sexta-feira (08) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O percentual é maior do que o registrado entre os homens (30,9%) e a população geral (31,6%).

Segundo o IBGE, a extrema pobreza também alcança patamar mais elevado entre as mulheres. Em 2022, 6,1% da população feminina era considerada extremamente pobre no país, ante 5,7% dos homens e 5,9% da população geral.

Os dados integram a terceira edição de uma síntese de indicadores sociais das mulheres, que reúne estatísticas de diferentes pesquisas.

No caso dos números de pobreza e extrema pobreza, a fonte dos resultados é a Pnad Contínua, uma das principais publicações do IBGE. A divulgação da síntese coincide nesta sexta com a celebração do Dia Internacional da Mulher.

O instituto leva em consideração linhas de pobreza e extrema pobreza recomendadas pelo Banco Mundial. A medida de pobreza é de US$ 6,85 em PPC (paridade do poder de compra). A de extrema pobreza, por sua vez, é de US$ 2,15, também em PPC.

Na prática, pessoas que viviam com quantias inferiores a essas por dia foram consideradas pobres ou extremamente pobres.

O ano de 2022 foi marcado pela retomada do mercado de trabalho e por transferências de recursos de programas como o Auxílio Brasil, ampliado pelo governo Jair Bolsonaro (PL) às vésperas das eleições presidenciais, vencidas por Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Em meio a esse cenário, tanto a pobreza quanto a extrema pobreza caíram no Brasil. Entre as mulheres, a taxa de pobreza recuou da máxima de 37,7% em 2021 para 32,3% em 2022, o menor nível desde 2020 (31,7%). A série histórica começou em 2012.

De 2021 para 2022, também houve redução da taxa de pobreza entre os homens, de 35,6% para 30,9%. Na população geral, o indicador baixou de 36,7% para 31,6%.

Quando se trata da extrema pobreza, a taxa entre as mulheres caiu do pico de 9,4% em 2021 para 6,1% em 2022, o menor nível desde 2015 (5,7%). A redução também foi registrada entre os homens (de 8,6% para 5,7%) e na população geral (de 9% para 5,9%).

41,3% DAS MULHERES PRETAS OU PARDAS SÃO POBRES

O levantamento do IBGE cruza dados de sexo e cor ou raça. Em 2022, a taxa de pobreza entre as mulheres pretas ou pardas foi de 41,3%, quase o dobro do percentual entre as brancas (21,3%).

Desigualdade similar é verificada entre os homens. Em 2022, a taxa de pobreza foi estimada em 38,6% para os pretos ou pardos, acima da marca de 20,6% dos brancos.

As diferenças também aparecem na extrema pobreza. Em 2022, 8% das mulheres pretas ou pardas eram consideradas extremamente pobres no Brasil, mais do que o dobro do percentual entre as brancas (3,6%).

Entre os homens, o mesmo indicador foi de 7,4% para pretos ou pardos. Também é mais do que o dobro da taxa de extrema pobreza dos brancos (3,4%).

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: