X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Brasil

Adolescente suspeito de matar família em SP disse à polícia que 'faria novamente'

Jovem confessou o assassinato e o motivo foi os pais terem tirado seu celular


O adolescente de 16 anos suspeito de ter matado seus pais e irmã, na sexta-feira (17), afirmou, segundo o boletim de ocorrência registrado na Polícia Civil, que "seu objetivo era só matar", que não se arrependeu de seus atos e, se pudesse, faria novamente.

Ele afirmou à polícia que o que o motivou foi seus pais terem tirado seu celular, e que sempre teve desentendimentos com os pais, já tendo pensado em matá-los anteriormente. Quanto à irmã, disse que "teve que matá-la", pois estava no local (a casa da família).

O jovem passou o final de semana com os corpos dos familiares na casa, enquanto saía para academia e para ir à padaria. No domingo à noite, chamou a polícia admitindo os assassinatos. A defesa do jovem não foi localizada pela reportagem para comentar o caso.

A arma utilizada era de seu pai, um guarda civil municipal. O adolescente sabia onde o pai a escondia e quando estava sozinho em casa, testou um disparo em um colchão.

Ao chegar à casa da família, a polícia constatou que a arma estava sob a mesa da sala, municiada e com um cartucho íntegro. No piso superior, no chão, próximo ao corpo da irmã do infrator, havia também uma capsula deflagrada de arma de fogo.

O caso foi registrado como "ato infracional de homicídio e feminicídio, ato infracional de posse ou porte ilegal de arma de fogo e ato infracional (relativo a) vilipêndio a cadáver (ofensa grave que viola o respeito aos mortos)". O infrator foi levado à Fundação Casa.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: