search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Você sabe o que é fandom?
Claudia Matarazzo
Claudia Matarazzo

Claudia Matarazzo


Você sabe o que é fandom?

Se não sabe nem esquente porque eu também não sabia. Mas, como todo mundo que gosta de se comunicar, ao saber que era recomendado criar e usar fandoms para aumentar o alcance de meu trabalho nas redes, tratei de me informar.

A definição da palavra na Wikipédia é essa abaixo:

Fandom é um termo usado para se referir a uma subcultura composta por fãs caracterizados pela empatia e camaradagem por outros membros da comunidade que compartilham gostos em comum.

Não refrescou muito, certo? Acredito que, na prática, fandoms sejam palavras criadas por um comunicador (leiam influencer, termo que não amo) para aumentar a abrangência do tema específico que ele trata e/ou definir - em uma palavra - determinadas pessoas, produtos, circunstâncias que remetam ao tal assunto.

Por exemplo: as pessoas costumam relacionar meu trabalho a comportamento de forma geral e, especificamente, a etiqueta.

Então, crio uma série de palavras relacionadas a isso que podem ou não agradar ou “pegar.” Como os “seguimores” da personagem Vivi Guedes, vivida por Paolla Oliveira .

Daí que já criei uma série de fandoms que, acredito, com o tempo, serão utilíssimos na hora de explicar certos procedimentos ou personagens em nosso mercado de eventos, festas e cerimonial.

Etikit – Também conhecido como eticombo, é um conjunto de coisas/ações que não nos deixa na mão, para não fazer feio. Como “flores e bombons” ou um “pretinho básico”; um jarro com suco refrescante e revistas novinhas no quarto de hóspedes... Enfim: é primo do “barba e bigode” usado antigamente.

Etifofa/o – Além de educada, preparada e informada, ela (ou ele) é também uma querida, nada arrogante e superprestativa.

Eticando – Checando se está tudo nos trinques para não atropelar a etiqueta. Nada mais do que usar o bom e velho checklist e ir tocando.

Etimala – Nossa, como tem! Sabe aquela pessoa que inventa regras que complicam em vez de facilitar a vida? E que sempre diz que “o fulaninho” diz o contrário referindo-se a um colega especialista que talvez tenha outra opinião?

O etimala não entende que quanto mais ele complica, mais despreparado parece. E que o fato de pensar diferente não desqualifica o colega.

Frescurite – Doença muito comum em etimalas: invenções e criações que os fazem extrapolar em detalhes complicadíssimos e muitas vezes grotescos, distorcendo decorações, produções visuais ou de eventos a ponto de ninguém entender nada.

A frescurite, além de muitas vezes feia, também é bastante contagiosa – além de totalmente inútil, raramente acrescentando algo de bom a vida.

Etilindo/a – É irmão dos etifofos: além de um gentleman (ou lady) uma belezura de se olhar. Em tempo: muitas vezes os etilindos não são fofos, podem ser extremamente exigentes, pois sabem que, além de craques, são lindos. Mas são muito diferentes dos etimalas.

Etidiva – Para mim, só tem uma que encarna a palavra: Costanza Pascolato. Nem precisa explicar mais, né?

Pois é. Arrisco dizer que a palavra fandom seja também um termo criado por (ou sob) o “domínio dos fãs”. Será que viajei?.
 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Um futuro nem tão ambicioso

Vamos falar do futuro. O futuro que, agora percebemos, foi subitamente sabotado – e está, neste exato momento, sendo repensado, ressignificado, reinventado, e uma porção de outros “res” que nos …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Lições da pandemia

Não vamos falar da finitude, de nossos medos, nem da angústia de ver nossas vidas em risco graças ao total despreparo, da boçalidade e pura teimosia dos titulares de nosso “desgoverno” – que poderiam …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

De meditação a sexo nas lives

Você entraria em uma web suruba? Pagaria para entrar? Confiaria no anonimato da organização? Se ficou perplexo com a possibilidade, saiba que não está sozinho. Mas não apenas as web surubas …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Novo momento, novos horários

Vivemos um novo momento trazido pela pandemia de Covid-19: home office, cursos a distância e reuniões agora fazem parte do nosso dia a dia. Se em casa economizamos preciosas duas horas por dia (que …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Eliminar para iluminar

A frase é da jornalista da Lilian Pacce e foi dita em uma fala sua ao se referir ao desapego. Nessa pandemia, percebemos que é muito, muito mais importante SER do que TER. Ser saudável, ser …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Líder pós-pandemia

É fato: o mundo que conhecemos ficou para trás, em todos os sentidos. Não existe nada de normal no futuro próximo, mas muito de “novo”. Porém, “novo normal”? Não aguento mais ouvir essa bobagem. …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

O que é etiqueta preventiva?

É a nova etiqueta. E se baseia, como na etiqueta tradicional, nos pilares do bom senso e afetividade, acrescentando um fator essencial nesse momento de delicada transição: a biossegurança. Isso …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Desabafo de madame

Passei grande parte da minha vida justificando o rótulo de “madame”, maldosamente aplicado a minha pessoa desde a faculdade de Jornalismo. Na ocasião, nos anos 1970, em plena abertura da ditadura e …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Para fazer diferença com cliente

Atendimento e fidelização – Hoje, palavras-chave para quem quer se diferenciar, principalmente na atividade de atendimento de alimentos e bebidas delivery –, uma das poucas que se manteve, mesmo …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Lute, se cuide e fique bem!

Vidas não se contabilizam, se preservam! A frase, da senadora Mara Gabrilli, merece reflexão mais profunda: neste momento, vemos um enorme afã em se contar mortes – ou vidas que se apagaram. Ou …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados