search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Vinte cidades mudam de nível de risco para coronavírus

Notícias

Publicidade | Anuncie

Coronavírus

Vinte cidades mudam de nível de risco para coronavírus


Novo mapa de risco (Foto: Divulgação Governo do Estado)
Novo mapa de risco (Foto: Divulgação Governo do Estado)

O novo mapa de risco foi divulgado pelo governo do Estado na manhã deste sábado (11). No total, 20 cidades capixabas sofreram alteração na forma como são classificadas. Enquanto que 10 municípios entraram no grupo de alto risco para contaminação pelo novo coronavírus, outros 10 deixaram essa avaliação e passaram a ser risco moderado. 

Conforme o governador Renato Casagrande havia adiantado em coletiva de impresa, por meio de videoconferência, na noite de sexta (10), nenhuma cidade atingiu as classificações de risco extremo e baixo para contágio pelo vírus. 

O novo mapa de risco começa a valer na próxima segunda (13) e tem validade até domingo (19). No total, 41 cidades seguem classficadas como alto risco. 

Com a atualização do mapa, entraram nesse grupo os municípios de Afonso Claudio, Apiaca, Atílio Vivacqua, Brejetuba, Jerônimo Monteiro, Mimoso do Sul, Pinheiros, Sooretama, Venda Nova do Imigrante e Vila Valério.

Já as cidades de Boa Esperança, Divino de São Lourenço, Fundão, Guaçuí, João Neiva, Montanha, Mucurici, Ponto Belo, Santa Teresa e Viana fizeram o caminho inverso e deixaram o grupo de alto risco para integrarem a classificação de risco moderado.

No total, são 37 cidades que foram avaliadas pelo governo do Estado como risco moderado para contaminação pelo novo coronavírus. 

A matriz de risco usada pela equipe de governo para classificar os municípios leva em conta a letalidade do vírus, o coeficiente de incidência da doença, a porcentagem de pessoas acima de 60 anos e a taxa de isolamento das cidades. Além disso, é observado ainda a taxa de ocupação dos leitos de UTI no Estado. 

A partir da próxima semana, essa fórmula vai levar em conta apenas a letalidade e os novos casos registrados nos últimos 28 dias.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados