search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Vila Velha é a 5ª cidade com imóveis mais valorizados
Publicidade | Anuncie

Imóveis

Vila Velha é a 5ª cidade com imóveis mais valorizados


Superando as médias nacionais de crescimento no setor imobiliário, o Espírito Santo se destacou na valorização dos imóveis. Com aumento de 0,62% no último mês, Vila Velha registrou a maior valorização do Estado e a quinta do País.

Os dados são do Índice FipeZap, divulgado na última semana, que monitora o comportamento do preço de venda de imóveis residenciais em 50 cidades brasileiras — no Estado, Vitória e Vila Velha são analisadas.

O resultado coloca Vila Velha na frente de 15 das 16 capitais presentes no estudo, perdendo apenas para Brasília, a primeira colocada no ranking, com valorização mensal de 1.92%.

Procura por imóveis em vila velha  cresceu em julho e deve valorizar mais nos próximos meses, segundo especialistas do setor. Brasília, com valorização mensal de 1,92%, lidera o ranking (Foto: Kadidja Fernandes/AT)
Procura por imóveis em vila velha cresceu em julho e deve valorizar mais nos próximos meses, segundo especialistas do setor. Brasília, com valorização mensal de 1,92%, lidera o ranking (Foto: Kadidja Fernandes/AT)


Completam o top 5 as cidades de Barueri (SP), com valorização de 1,16%, Itapema (SC), com alta de 0,75%, e Novo Hamburgo (RS), com alta de 0,63%. Enquanto Vitória foi décima melhor entre todas as cidades no ranking mensal, apresentando alta de 0,49%.

Já no acumulado dos últimos 12 meses, Vitória é a terceira capital do País onde os preços dos imóveis mais subiram: alta de 3,61%, atrás apenas de Florianópolis (SC), com 5,22%, e Curitiba (PR), com 4,21%. Além disso, está em oitavo lugar contando somente os sete primeiros meses deste ano (2,16%).
Nacionalmente, a média do País nos últimos 12 meses teve alta de 2,31%. Porém, quando se considera apenas de janeiro a julho de 2020, a alta é menor, atingindo 0,46%.

Para se ter uma ideia, Recife (PE) esteve entre as cidades com os maiores índices de queda nas acumulações mensais, em 12 meses e deste ano. Na acumulação mensal, a capital pernambucana apresentou queda de 1,72%. Já no acumulado dos últimos 12 meses, a queda foi brusca, de 5,54%, assim como no acumulado de 2020, com queda foi de 5,53%.


Ranking

Cidade ------ Variação
1º Brasília (DF) ------ + 1,92%
2º Barueri (SP) ------ + 1,16%
3º Itapema (SC) ------ + 0,75%
4º Novo Hamburgo (RS) ------ + 0,63%
5º Vila Velha ------ + 0,62%
6º Itajaí (SC) ------ + 0,61%
7º Belo Horizonte (MG) ------ + 0,60%
8º Campinas (SP) ------ + 0,56%
9º João Pessoa (PB) ------ + 0,51%
10º Vitória ------ + 0,49%

Fonte: Índice fipezap


Crescimento da procura em Cachoeiro e Colatina

A valorização dos imóveis é tendência também fora da Grande Vitória. Especialistas destacam o potencial de valorização no preço dos imóveis no Estado, com destaque para os municípios de Colatina e Cachoeiro de Itapemirim.

O presidente em exercício do Conselho Regional de Corretores de Imóveis – 13ª Região (Creci-ES), Luiz Carlos Tófano, destacou que há uma tendência de alta nos imóveis da região Sul do Estado.

“Há um aumento na procura por imóveis no Sul, em Marataízes, Alegre e especialmente em Cachoeiro. O momento de comprar é agora, porque a tendência é de alta”, orientou.

Já o consultor imobiliário Fernando Valverde destaca a valorização em Colatina, no Noroeste do Estado.

“Com a queda da taxa Selic, os imóveis em Colatina aumentaram de valor, porque tornou-se mais interessante investir no setor”, explicou Fernando Valverde.

Alta dos preços é uma tendência

A alta nos preços dos imóveis em Vila Velha e Vitória deve ser uma tendência para os próximos meses, de acordo com especialistas do setor, graças à menor oferta e ao aumento da demanda.

O economista Mário Vasconcelos destacou que o mercado imobiliário passa por um momento de aquecimento devido à pandemia do novo coronavírus.

“As linhas de crédito e a taxa de juros reduzidas, disponibilizadas durante o período da pandemia, influenciaram num aumento do interesse da população por imóveis. Isso provocou um aquecimento no setor, o que valoriza os imóveis”, avaliou o economista.

Carlesso:  aumento da demanda (Foto: Kadidja Fernandes/AT)
Carlesso: aumento da demanda (Foto: Kadidja Fernandes/AT)
O presidente da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário do Espírito Santo (Ademi-ES), Sandro Carlesso, explicou que houve uma redução nas ofertas de imóveis e aumento da demanda.

“Tínhamos lançamentos previstos para 2020 que não ocorreram, o que fez a oferta de imóveis diminuir, mas a demanda cresceu devido ao interesse da população em comprar imóveis com as taxas de juros mais baixas”.

Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados