search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Vida em seu sentido original
Martha Medeiros
Martha Medeiros

Martha Medeiros


Vida em seu sentido original

Não há como não se sentir angustiado assistindo a Você não estava aqui, filme de Ken Loach, o mesmo diretor do multipremiado Eu, Daniel Blake, que tratava sobre o isolamento de idosos que não conseguem se encaixar na sociedade informatizada.

Desta vez, Loach mostra as consequências da informalidade e do trabalho autônomo como única opção. Nada de férias remuneradas, seguro saúde, seguro-desemprego, aposentadoria. É pegar ou largar.

No filme, Ricky, 44 anos, é um ex-empregado da construção civil que passou a ser um faz-tudo depois da crise de 2008. Sem serviço, ele procura uma franquia de entregas, compra uma van com o resto das economias e vira motorista por conta própria, trabalhando seis dias por semana, de manhã à noite, cumprindo uma escala que não lhe dá tempo nem de ir ao banheiro.

Aos poucos percebe que o sonho de ser patrão de si mesmo é um engodo que o deixa cada dia mais miserável, e não só financeiramente.

A família inteira degringola. Sua esposa é uma cuidadora que também passa o dia fora, deslocando-se até seus pacientes sem vale transporte.

A filha de 11 anos chega da escola e, sozinha, prepara o próprio jantar. O filho de 15 mata aula para pichar muros, está cada dia mais calado e prestes a se meter em encrenca.

Como dar atenção às crianças estando ausente, mal conseguindo respirar para pagar as contas?

Através de gravações de áudio, na corrida entre uma tarefa e outra.

O que mais deprime é que o filme não parece ficção, e sim um documentário sobre a atualidade.

Empreender é uma opção quando se tem suporte, reservas, uma boa rede de contatos.

Para quem está sempre começando do zero, é uma ilusão. Você não pode adoecer. Não pode envelhecer. Não pode viver – só trabalhar.

Ao longo dos 100 minutos do filme, há uma única cena descontraída: pais e filhos cantam e dançam juntos, dentro da van, uma música alegre. Brevíssimos segundos em que a vida volta ao seu significado original.

Um pão quente saindo do forno. Flores frescas enfeitando a sala. Um casaco novo para o inverno.

Um encontro com uma amiga para um café e um papo. Tempo para ler um livro.

Um passeio até a beira do lago. Passar um batom para ficar mais bonita. Abrir uma cortina e deixar o sol entrar. Adotar um cão ou um gato.

Entrar numa banheira com água morna. Momentos agradáveis. A vida fluindo. Nada disso acontece quando a única missão é sobreviver.

Não há relaxamento ou prazer. Contam-se os centavos, reza-se por dias melhores e dorme-se.

Sexo? Um raro luxo para os menos exaustos.

Cinema é arte. Civiliza, humaniza e desperta nossas consciências, por isso é tão imprescindível.

Mesmo quando não se vê beleza nem luz entrando pelas frestas.
 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Martha Medeiros

Incoerência

Não sei se o Brasil inteiro soube. No interior do Rio Grande do Sul, um homem atirou sete vezes na namorada, durante uma briga, e acertou cinco tiros. A moça foi socorrida e sobreviveu. No dia do …


Exclusivo
Martha Medeiros

Parar a tempo

“Você tem que ser capaz de parar a tempo”, disse Pablo Picasso, em 1932, sobre o segredo do ofício de escultor (o que ele era também, e magnífico). Como saber que uma obra está acabada? Não há um …


Exclusivo
Martha Medeiros

Os filhos do mundo

Foi aparecer Greta Thunberg, e achei que mataríamos saudade do consenso — lembra consenso? Difícil imaginar divergências a respeito de uma adolescente que um dia saiu de casa com um cartaz nas …


Exclusivo
Martha Medeiros

E se em vez de falar de Natal

E se em vez de falar de Natal, a gente procurasse entender por que o mundo está de patas para o ar? Pessoas se sentem no direito de serem rudes com as outras, seja por estarem amparadas pelo escudo …


Exclusivo
Martha Medeiros

A pontualidade e o amor

O que faz um romance durar? Entre as muitas vantagens de amadurecer, está a de não se preocupar mais com essas questões e simplesmente se jogar, permitir que os dias fluam, que o vento nos leve, sem …


Exclusivo
Martha Medeiros

Assim é a vida

Árvores caem. Celulares ficam sem bateria. Canetas perdem a tinta bem na hora da assinatura. Iogurtes esquecidos na geladeira passam do prazo de validade. Crianças gritam durante o recreio. Fones de …


Exclusivo
Martha Medeiros

Vida de artista

Ainda ela, claro. A quantidade de homenagens pelos 90 anos de Fernanda Montenegro será sempre insuficiente diante da sua grandeza. Aproveitando a data festiva, também li “Prólogo, ato, epílogo”, uma …


Exclusivo
Martha Medeiros

Joker

Que personagem adotar para que a sociedade preste atenção em nós? Nascemos carentes: precisamos de quem nos alimente e nos proteja, e dá-lhe biquinho, choro, mamãe eu quero. Com sorte, receberemos …


Exclusivo
Martha Medeiros

Relacionamento à distância

Ele me contou a história em um tom baixo de voz. Terminaram a relação, mas a cicatriz não havia fechado. Ele ainda gostava dela, só que não deu certo. Namoraram durante quase um ano, ele morando em …


Exclusivo
Martha Medeiros

Saber viver

Realizei um desejo antigo, o de passar um mês inteiro num apartamento em Paris, fingindo ser moradora da cidade. Paris é mágica: quanto mais tempo se permanece nela, mais linda ela se revela, cinco …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados