search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Vendas caem com redução do valor do auxílio emergencial

Notícias

Publicidade | Anuncie

Economia

Vendas caem com redução do valor do auxílio emergencial


Prateleira de supermercado: auxílio do governo deu fôlego ao setor (Foto: Kadidja Fernandes — 17/03/2020)
Prateleira de supermercado: auxílio do governo deu fôlego ao setor (Foto: Kadidja Fernandes — 17/03/2020)
Os supermercados já começaram a sentir impactos nas vendas com a redução do auxílio emergencial de R$ 600 para R$ 300, somada à crise econômica em decorrência da pandemia do coronavírus.

Na primeira quinzena de outubro, as vendas caíram 5% em relação a setembro em todo o País, segundo o colunista Ancelmo Góis, do jornal O Globo. Conforme o superintendente da Associação Capibaxa de Supermercados (Acaps), Hélio Schneider, só no fim do mês será possível mensurar os impactos no setor no Estado, mas a expectativa é de redução nas vendas.

“Vamos ter uma avaliação mais precisa no fim do mês. Mas quando se tem a diminuição de R$ 600 para R$ 300, isso claramente afeta não só o nosso setor, mas todos os outros”, disse Hélio.

Em setembro, o governo oficializou a diminuição em 50% no valor das parcelas do auxílio emergencial, que começou a ser pago em abril. As primeiras parcelas tiveram valores de R$ 600 ou R$ 1.200 (para mães chefes de famílias). Até o fim do ano, as parcelas serão de R$ 300 ou R$ 600.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o setor de varejo, impulsionado pelas medidas de isolamento social e pelo auxílio emergencial, vinha registrando recordes de altas nas vendas. Em agosto, o setor atingiu o maior patamar de vendas desde o ano 2000, após quatro altas seguidas.

Entretanto, segundo o superintendente da Acaps, também houve um aumento dos custos. “Recordes de vendas não significam rentabilidade. Houve aumento dos custos. Apesar dos subsídos do governo, o brasileiro de modo geral continua não se aquecendo economicamente. Os impactos disso, vamos sentir daqui para frente”, pontuou Hélio.

Inflação dispara para os mais pobres

O aumento de preços para as famílias mais pobres foi mais de dez vezes maior que a alta sentida pelos mais ricos de janeiro até setembro deste ano, de acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Nos nove primeiros meses do ano, a inflação para as famílias com menor renda (menos de R$ 1.650) acumulou uma alta de 2,5%. Já a taxa acumulada para a classe de renda mais alta (acima de R$ 16.509) foi de 0,2%.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados