search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Vacinada contra “cobras venenosas”

Entretenimento

Publicidade | Anuncie

Entretenimento

Vacinada contra “cobras venenosas”


Do cantinho da boca escorre o veneno da infeliz, que chegou para difamar, envenenar. Mas pode vir! Ela não teme. Ludmilla está vacinada!

Com o lançamento de “Cobra Venenosa” ontem, ela ainda deu a dica de um antídoto para quem tem que lidar com tais seres mortíferos na vida: “Buscar apoio nas pessoas que te amam e te apoiam, no seu bonde”.

E, após as recentes polêmicas no mundo do funk entre a esposa de Brunna Gonçalves e Anitta, a pergunta é inevitável: a música tem um destinatário específico?

“Não. Essa canção foi feita há três anos”, ela diz, em entrevista ao AT2. De qualquer forma, o lançamento da canção, que alcançou 15 milhões de visualizações em uma prévia na semana passada, chega em um momento oportuno e o recado está dado: nada vai parar a carioca de 25 anos!

“Para 'Cobra Venenosa', criamos uma estratégia e revisitei mensagens de 'haters' e quis mostrar que isso não me para. O que há de bom, de positivo, as pessoas que me cercam, me fortalecem para seguir em frente”, revelou a líder do bonde das mulheres sagazes.

Ludmilla (Foto:  Rodolfo Magalhães)
Ludmilla (Foto: Rodolfo Magalhães)

Confira a entrevista de Ludmilla ao AT2.

AT2 - A prévia de “Cobra Venenosa” teve 15 milhões de visualizações. O que achou?

Ludmilla - Eu fiquei muito feliz. Eu acreditava muito na música, tanto pela letra quanto pela batida. Esse retorno do público antes mesmo do lançamento mostrou que minha aposta estava certa. (Risos) Isso me deixou ainda mais motivada para o lançamento. E percebi que o público também estava animado. Na segunda-feira, o termo “Cobra Venenosa Sexta” foi o mais comentado do Twitter no Brasil e o 10º no ranking mundial

Qual é o melhor antídoto para “cobras venenosas”?

O melhor antídoto é o que eu mostro no clipe: ser de verdade e buscar apoio nas pessoas que te amam e te apoiam, no seu bonde. Encontrar acolhimento é fundamental para enfrentar qualquer situação que te desafie.

Alguma dessas cobras pegou pesado demais? Pensou em desistir?

Nunca pensei em desistir. Sempre tive muita certeza do caminho que queria trilhar e sempre estive cercada da minha família, que sempre me apoiou.
Algumas situações mexem comigo, como quando sofro injúrias raciais. Mas isso só me mostra que ainda tenho muito caminho a trilhar. Quero abrir caminho para quem virá depois de mim, assim como outras mulheres incríveis abriram.

Por que decidiu tornar pública a sua história sobre a briga com Anitta? Foi uma decisão acertada?

Eu fiz o que acreditava ser o certo e justo comigo. Já falei sobre isso de forma franca e transparente.

É uma inspiração para muitas meninas. O que diria para elas?

Diria para continuar e acreditar no seu sonho, para se cercar de pessoas que te levantem, para buscar maneiras de se realizar, para não acreditar em quem disser que não é possível você realizar alguma coisa. Você pode ser o que você quiser. Busque isso. Não aceite as coisas como são. Estamos em transformação, e somos agentes de mudança.

É muito bem-sucedida em muitos aspectos: está amando, é amada por milhões, seu trabalho é reconhecido... Tudo isso desperta muita inveja?

Eu não foco nisso. Minha energia está em escrever minhas músicas, gravá-las, levar alegria para meus fãs. Isso é maior do que os “haters”, do que a inveja. Esse tipo de coisa me inspira a fazer mais e melhor.

Emicida disse que “'os bico' não consegue ver você vencer mesmo”. Há muita gente incomodada com o seu sucesso? Sofre preconceito por ser mulher, negra, funkeira e por sua sexualidade? Como responde?

Acho que as pessoas se incomodam com tudo isso que você falou. Minha resposta é continuar existindo e vivendo a minha verdade. E, em alguns momentos, há a necessidade de responder mais diretamente, como nos últimos episódios de injúria racial. Não vou ficar calada. Sei o lugar que ocupo e a responsabilidade que vem com ele. Eu tenho uma voz potente e quero aprender cada vez mais, para usá-la de maneira efetiva para propor e trabalhar nas mudanças que tanto queremos ver, para ter, de fato, um país mais igualitário.

Você e Brunna parecem ser muito parceiras. É tudo o que sonhava?

Somos muito parceiras, muito felizes. É um amor lindo de viver.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados