search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Uma pessoa é presa em operação de combate a fabricação e venda de dinheiro falso

Notícias

Polícia

Uma pessoa é presa em operação de combate a fabricação e venda de dinheiro falso


Apreensão de dinheiro falso (Foto: Divulgação/ PF)
Apreensão de dinheiro falso (Foto: Divulgação/ PF)
A Polícia Federal no Espírito Santo deflagrou, na manhã desta segunda-feira (2), a Operação Marduque, “com objetivo de combater crime de fabricação de moeda falsa e venda das mesmas por intermédio do aplicativo WhatsApp para compradores em diversos estados da Federação”.

Foram cumpridos um mando de prisão preventiva e três de busca e apreensão nas casas dos investigados em Vitória e Viana.

“No transcorrer do cumprimento foi localizada grande quantidade de cédulas falsas no domicílio do investigado preso preventivamente, resultando também na sua prisão em flagrante, uma vez que tal conduta configurou o crime de ter a guarda disposto no parágrafo 1º do art.289 do Código Penal Brasileiro”, explicou a PF.

Os investigados vão responder pelos crimes de falsificação e guarda de moeda falsa. A pena varia entre três a 12 anos de reclusão.

Entenda o caso

Material foi encontrado na casa dos suspeitos (Foto: Divulgação/ PRF)
Material foi encontrado na casa dos suspeitos (Foto: Divulgação/ PRF)
A investigação apura um esquema de falsificação de cédulas de real. Ela começou a partir de uma notícia crime apresentada pelos Correios após a interceptação de objetos postados em Vitória contendo em seu interior notas falsas.

De acordo com a PF, o remetente usava um nome falso e enviava as encomendas para outros estados. Ele usava um grupo no WhatsApp.

Em outro caso, “o investigado usava as cédulas falsas para compra de produtos anunciados em site de anúncio de vendas de produtos no Espírito Santo”, informou a PF.

A operação recebeu este nome porque Marduque era o pseudônimo usado pelo principal investigado. Ainda segundo a PF, “significa ‘Deus protetor da cidade da Babilónia’, pertencente a uma geração tardia de deuses da antiga Mesopotâmia, como também um nome utilizado como vilão em um game”.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados