search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Tiros e confusão em Baile do Mandela na Serra

Notícias

Publicidade | Anuncie

Polícia

Tiros e confusão em Baile do Mandela na Serra


Criança passava pelo local e encontrou balas de borracha (Foto: Kananda Natielly)
Criança passava pelo local e encontrou balas de borracha (Foto: Kananda Natielly)
Uma festa clandestina assustou moradores de Central Carapina, na Serra, que precisaram passar pelo local, no início da manhã de sábado (17).

Acionados por conta do som alto e agredidos com garrafas e pedras, os policiais militares precisaram disparar tiros de borracha contra uma multidão de 200 pessoas, que saíram correndo.

“Eu estava indo para o salão e precisei passar pela rua onde estava acontecendo a festa. Eu só não sabia que estava aquela confusão toda. Na hora foi um susto tremendo e muito pânico, todo mundo saiu correndo”, contou uma vigilante de 42 anos, que pediu para não ser identificada.

O Baile do Mandela começou por volta de 0h e seguiu até às 6h de sábado, na rua Projetada II, quando os militares chegaram.

Uma faxineira de 39 anos, que também não quis se identificar, contou que idosos e crianças passavam pelo local no momento da confusão.

A Policia Militar informou, por meio de nota, que os militares seguiram para o local após receberem denúncias de que havia várias pessoas fazendo uso de bebida alcoólica, além de uma estrutura de aparelho de som montada nas proximidades da rua. Ao chegar no local, os policiais deram ordem para desligar o som, já que a Lei Municipal 4878/2018 proíbe esse tipo de festa no município, mas ninguém se apresentou como o dono do aparelho.

Foi nesse momento que a equipe acabou agredida com copos de vidro, garrafas e pedras. Para impedir as agressões, os policiais efetuaram disparos de bala de borracha e fizeram uso de spray de pimenta para controlar a situação.

Os militares descobriram ainda que a estrutura de som estava ligada clandestinamente na rede de energia. Todo o material foi apreendido e levado para a Delegacia Regional do município. Ninguém foi preso na ação e a polícia não tem informações sobre feridos.

Até a publicação desta reportagem o dono do aparelho de som não havia se apresentado na delegacia. Ele pode responder por furto de energia.

Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados