search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Tendências pós-pandemia
Claudia Matarazzo
Claudia Matarazzo

Claudia Matarazzo


Tendências pós-pandemia

Já falamos aqui de como as tendências surgem anos antes de serem comercializadas ou divulgadas. O que constrói determinada tendência é uma sequência de eventos que acabam convergindo para uma direção, criando uma espécie de trilha de comportamento e, principalmente, do “desejo inconsciente” das pessoas.

Com o advento da pandemia, aconteceu uma grande aceleração de tendências (desejos) que já estavam no radar há alguns anos – e que agora, claramente, tonaram-se urgentes.

Estilo de vida – Esta expressão tem muito mais a ver com questões históricas ou sociais do que com mercado e luxo, como muitos acreditam. Nossa vida, por algum tempo, será mais restrita a ambientes menores – e com menos gente –, e, por vezes, aos limites de nossa casa.

Isso é tão real que a Canton Fair – uma das maiores feiras de tendências do mundo – aconteceu virtualmente, ainda no primeiro semestre deste ano, e já decretou os rumos de nossos desejos para os próximos anos!

Sustentabilidade – O que parecia “moda de fanáticos”, tornou-se um modo de viver o dia a dia em suas várias etapas: da compostagem de lixo às hortas em caixotes caseiros (inclusive, em apartamento), a ideia é reciclar e não poluir. No caso de marcas e mercados, sai na frente quem tiver ações e programas concretos para defender a natureza e/ou os selos que atestem isso.

Novas relações humanas – As famílias, que já vinham se modificando e que antes se baseavam em instituições engessadas, como matrimônio até que a morte separasse, hoje estão abertas à diversidade e inclusão social – e acolhem diferentes afetos e formas de amar e viver sem questionar, proibir ou excluir.

A casa como templo e refúgio – Finalmente, entendemos que a viajação constante para trabalhar (ou mesmo a lazer) poderia ser muito menos intensa, e que é possível ter mais a ganhar se soubermos viajar para dentro, tratando a casa mais como porto familiar e templo do que como dormitório.

Até porque, percebemos que boa parte do nosso trabalho pode ser feita em home office. Nessa casa, há algumas vertentes muito claras:

Natureza dentro de casa – Estampas com folhagens, frutas e flores. Elementos em madeira e pedra e texturas rústicas. Objetos artesanais. Cores: verde, lilás , marrom e cru.

Um toque de luxo – Predominam objetos de design, estilo contemporâneo e brilho . Sempre com formas orgânicas, seguindo a vertente “natureza”. Cores: cobre, dourado, prateado, e furta-cor.

Novo clássico – Como o momento é de reciclagem, remete aos anos 1970: com cores fortes e vibrantes, os objetos são feitos com novas tecnologias e materiais sustentáveis. Cores: laranja/coral, roxo e cinza.

Ética no comportamento – Anda em falta, mas, talvez, por isso, a busca pela mesma e a consciência de que não dá para continuar como está, gerem um movimento positivo. Temos que acreditar, e persistir!
 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Dicas para acertar no currículo!

Mandar o currículo não basta, mas ajuda muito se ele estiver no ponto certo de apresentação e com as informações organizadas de forma a chamar a atenção. Como está tudo muito difícil, não custa …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Farofa, farinha ou paçoca?

O título, claro, é uma provocação, uma vez que a farofa é feita com farinha e a farinha é a base de um sem-número de delícias da nossa gastronomia. Já paçoca é uma variação do nome da farofa: no …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Privacidade, um resgate urgente!

Na era dos reality shows e das redes sociais, falar em privacidade é uma ousadia, bem sei. Mas, é necessário. O conceito é bem conhecido dos verdadeiramente elegantes. Pena que, a cada dia, sejam …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

“Sofagate”, a gafe diplomática

O vídeo correu o mundo: políticos, feministas, cerimonialistas e mulheres de todo o planeta o analisaram com diferentes interpretações. Nele, um encontro entre a presidente da Comissão Europeia, …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Autossabotagem na pandemia

Só mesmo a autossabotagem para explicar a enxurrada de sentimentos contraditórios que vem nos afligindo nesta pandemia. Ok, o momento é delicado, estamos todos fartos de notícias ruins, mas nada – …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Histórias de violência no paraíso

Mergulhada que estou na História do Brasil, para um novo livro de receitas regionais e o “como comer e servi-las”, fiz uma imersão na obra “ História da Gente Brasileira”, da fantástica historiadora …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Festa de criança após pandemia

Diga que sou mal-humorada, mas, se tem uma coisa que no pós-pandemia, vou adorar ver mudar para a versão mais enxuta – e sem aglomeração – serão as festas infantis. Sempre fugi desses micos o …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Regras de etiqueta em tempos de mudanças

Muita gente me pergunta se, com a rapidez das mudanças, ainda se usa isso ou aquilo e se é preciso prestar atenção em “etiqueta”. Calma! Etiqueta ajuda sempre – e nunca faz mal. Ela simplifica e …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

A mulher e as cafajestadas

Na coluna da semana e do mês da mulher, vamos falar sobre homens – e você logo entenderá o motivo. Há uma frase anônima que diz “existem os cafajestes e existem os homens”. Verdade, embora acrescente …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Viagens pós-pandemia

Você já pensou para onde quer ir assim que puder viajar sem tantos protocolos de segurança e já vacinado? Aposto que sim, como muita gente. E fico meio danada ao ouvir de tanta gente que não vê a …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados